sábado, 29 de abril de 2017

CAIXERAL - 99 ANOS - CAFÉ COM BETHOVEN

Por *Antônio Gallas

Parece inusitado, mas não é. Tomar um café da manhã com o maestro Bethoven em carne e osso, é algo impossível de acontecer. Não, não foi sonho não! Foi real, e aconteceu na manhã desta sexta-feira, 28 de abril, no espaço Café Concerto da União Caixeiral, hoje Centro Cultural João Paulo dos Reis Velloso. Evidentemente que com o músico alemão Ludwing Van Bethoven isto só seria possível em sonho ou quem sabe, por meio de uma viagem através do misterioso mundo espiritual. Mas com o maestro Bethoven (não sei seu nome completo ainda), mato-grossense, residindo em Parnaíba há pouco mais de quatro meses foi possível.

Maestro Bethoven na celebração dos 99 anos da Caixeiral.
A solenidade era para celebrar o nonagésimo nono aniversário de fundação da União Caixeiral, fundada que foi em 28 de abril de 1918, com o nome de Sociedade Civil União Caixeiral, mais tarde, em 1933, Escola União Caixeiral e hoje, adquirida pelo Serviço Social do Comércio - SESC, na administração do advogado Valdeci Cavalcante presidente da FECOMÉRCIO, transformada em Centro Cultural João Paulo dos Reis Velloso. Durante todo o dia houve eventos para celebrar a data, tais como, palestras, debates, performances teatrais, e claro, a boa e suave música extraída das teclas de um piano de cauda pelas hábeis mãos do maestro Bethoven. Além do farto café servido naquele ambiente festivo e aconchegante, podia-se também ouvir músicas clássicas e modernas, de renomados compositores estrangeiros a famosos músicos brasileiros. De ritmos diversos, até um famoso tango, "la cumparsita" composto pelo músico uruguaio Gerardo Matos Rodríguez no final de 1915 e que ainda hoje é sucesso. São músicas eternas e que o tempo jamais apagará.
Ao ouvir "la cumparsita" minha mente recuou no tempo para meados da década de setenta. Nesta época se podia ficar na calçada das casas até tarde da noite sem nenhum perigo, num bate-papo, ouvindo uma boa música e até bebericando algo para o tempo passar mais depressa, ou talvez mais devagar. Nesta época, costumeiramente nas noites de sábado, eu, o poeta Elmar Carvalho, o Jornalista Bernardo Silva, o Reginaldo Costa (Reginaldo do Inovação) e outros que não lembro agora, reuníamo-nos a partir da meia noite, na calçada da minha residência à Rua Vera Cruz no Bairro São José para escutarmos o programa "Tangos à Média Luz" apresentado por Antônio Requiento na Rádio Globo (AM) do Rio de Janeiro. MEDIA LUZ, ADIOS MUCHACHOS, VOLVER, CAMINITO, MANO A MANO, UNO, muitos outros, e como não poderia deixar de ser LA CUMPARSITA, o mais famoso de todos os tangos.
O radinho de pilha não podia "pifar"! Deleitávamo-nos ouvindo esses tangos maravilhosos, assim como, acredito, todos quanto estiveram no Centro Cultural João Paulo dos Reis Velloso, no café da manhã desta sexta feira 28 de abril deliciaram-se ouvindo musicas eternas ao som de um piano habilmente executado pelo maestro Bethoven.
O evento foi aberto ao publico durante todo o dia
O Centro Cultural João Paulo dos Reis Velloso foi inaugurado solenemente em 30 de abril de 2015.
*Aposentado pelo Banco do Brasil, professor
Edição: Mário Pires Santana