quarta-feira, 26 de abril de 2017

Mineradora apresentará relatório de impacto na exploração de gás no Piauí

A empresa Ouro Preto Óleo e Gás S/A – que ganhou a licitação para explorar petróleo e gás natural no Piauí – apresentará os estudos de impacto ambiental nesta quarta-feira (25). A audiência será mais uma tentativa da mineradora de convencer as autoridades que não há risco de vazamento de produtos tóxicos ou prejuízo ao meio ambiente.
A Justiça federal – em decisão em dezembro do ano passado – proibiu a exploração do gás no Estado. Segundo o juiz federal Derivaldo de Figueira Bezerra Filho em laudos analisados há conclusões preocupantes. Entre eles, ao de despejos de resíduos da atividade na represa de Boa Esperança, em Guadalupe, além do comprometimento da área de conservação. A audiência acontecerá a partir das 8h na sede da Fiepi, no bairro Redenção. A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) leiloou, no Estado, três blocos de exploração de gás e petróleo que atingirá 15 municípios piauienses. A jornalista Tânia Martins, da Rede Ambiental do Piauí (Reapi), informou ao cidadeverde.com que já houve audiências nas cidades de Ribeiro Gonçalves e Floriano. A de Teresina, que acontecerá nesta quarta-feira foi solicitada pela rede para que a discussão fosse ampliada com a participação de mais órgãos competentes. “Fomos surpreendidos, pois ficamos sabendo da audiência um dia antes e não há tempo para uma maior mobilização”, disse Tânia Martins.
Ela ressaltou que a Reapi é contra a exploração do gás xisto, já que não existe uma tecnologia segura para a exploração do material. “Entendemos que é uma exploração perigosa. É uma rocha que fica a 3 km abaixo da terra, presa a mais de três mil anos e mexer nisso pra quê? Vamos lutar para que isso não aconteça”, disse. 
“A reunião técnica decorre de um compromisso assumido pela SEMAR durante a audiência pública ocorrida em 15/02/2017, na cidade de Floriano-PI, onde a empresa discutiu com a população o Estudo de Impacto Ambiental – EIA e respectivo Relatório de Impacto Ambiental - RIMA para o licenciamento do empreendimento. Na oportunidade, firmou-se o compromisso de detalhar, em reunião realizada em Teresina, aspectos técnicos e ambientais da atividade em questão”, explica o secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí, Ziza Carvalho. Estarão presentes no evento, dirigentes e técnicos de instituições públicas, de representações de classes, do legislativo, do Ministério Público, professores universitários, organizações do terceiro setor, dentre outras. 
Sobre a exploração de petróleo e gás
O superintendente de Meio Ambiente da Semar, Carlos Moura Fé, enfatiza que o empreendimento é destinado à prospecção de petróleo e gás natural, na Bacia do Parnaíba, cuja locação dos poços poderá abranger os municípios de Marcos Parente, Landri Sales, Jerumenha, Sebastião Leal e Canavieira – no bloco PN-T-151; Amarante, Arraial, Francisco Ayres, Floriano, Cajazeiras do Piauí, Nazaré do Piauí, Oeiras, São Francisco do Piauí e Regeneração – no bloco PN-T-137; e Ribeiro Gonçalves e Baixa Grande do Ribeiro – no bloco PN-T-165, no estado do Piauí. A bacia do Parnaíba é a quinta maior produtora de gás natural no Brasil e a Ouro Preto já investiu cerca de R$ 30 milhões, em coleta e processamento de dados. A extração de gás e petróleo deve começar ainda este ano.
Por Yala Sena (Com informações da Semar)
Fonte: cidadeverde.com
Edição: Mário Pires Santana