sábado, 8 de julho de 2017

João Vicente Claudino é forte candidato mas tem seus pontos de vulnerabilidade

Por Oscar de Barros

Ontem, destaquei a força de uma provável candidatura ao governo do Piauí do empresário João Vicente Claudino. Hoje, levantarei algumas questões relacionadas às fragilidades da mesma candidatura. Por exemplo: 
Indecisão, é uma marca do ex-senador. Em muitos momentos de sua vida pública ele já se mostrou em dúvida quanto a tomada de posições o que o faz carregar a pecha de indeciso. Sua “decisão” de agora é mesmo para valer? O que pode significar para os opositores de Wellington Dias um novo refluxo de JVC na hora das definições? Eles estarão aptos a arrumar um substituto à altura? João Vicente se propõe candidato a governador do Piaui. Mas como o Estado é um ente da Federação brasileira e as eleições governamentais são casadas com as presidenciais, se faz necessário uma pergunta para avaliar a força da candidatura de JVC. Sabendo do partidarismo de Wellington Dias e Lula e do forte potencial eleitoral do ex-presidente aqui no Piauí, que projeto nacional João Vicente vai defender? Que forças terá, um candidato sem alinhamento com Lula? João Vicente é um empresário nato, herdeiro do maior grupo empresarial do Piaui. Sobre o Grupo, não há críticas nos veículos de comunicação do Piauí, mas em tempos de redes sociais não se pode olhar só para a mídia tradicional/comercial que depende da verba das empresas. Agora mesmo a prefeitura de Teresina esta institucionalizando a cobrança da taxa de lixo na cidade e ao mesmo tempo o “whats ap” espalha a informação de que o shopping da família do ex-senador ficou isento de tal cobrança. Ou seja, o pequeno paga, o grande, não paga. É confortável enfrentar um processo eleitoral com as redes sociais alimentando este tipo de debate?
Por fim, o famigerado governo Temer apresentou no Congresso Nacional uma proposta de reforma trabalhista que sofreu forte oposição do movimento sindical, ou seja, dos trabalhadores. Candidato a governador do Piauí (sabe-se lá ainda por qual partido), JVC será confrontado com estas propostas. Que posição adotará? Não conheço um empresário brasileiro que tenha sido contra a reforma trabalhista. Joao Vicente vai angariar votos dos trabalhadores se se posicionar favorável as mudanças?
Ontem afirmei que JVC é uma pedra no sapato de Wellington Dias. De todos os candidatos que já apareceram é aquele que reúne mais condições de fazer frente ao Indio. Mas isso não significa que a candidatura de JVC seja um tapete (vermelho?) no rumo do Palácio de Karnak. É uma candidatura forte, mas como todos, tem seus pontos vulneráveis. Se Wellington Dias e outros prováveis candidatos souberem explorar, vão dar muita dor de cabeça ao ex-senador João Vicente.
Fonte: 180graus.com
Edição; Mário Pires Santana