quarta-feira, 6 de setembro de 2017

APÓS TENTATIVA DE NEGOCIAR, Sindicato anuncia deflagração de greve no sistema prisional do Piauí

A categoria se reuniu em assembleia, que definiu a paralisação a partir da próxima segunda-feira, 11.

Os agentes penitenciários do Piauí decidiram nesta terça-feira (05/09) pela deflagração de greve nas unidades prisionais do Estado. A categoria se reuniu em assembleia, que definiu a paralisação a partir da próxima segunda-feira, dia 11. Em nota, o Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sinpoljuspi), afirma que desde março vem tentando uma audiência com o governo do Estado, mas até agora não houve resposta do Executivo. Para o presidente do sindicato, José Roberto da Silva, a situação demonstra desrespeito com a categoria.
                         Foto: 180graus
Lamenta que na última década, o governo “não construiu uma cela sequer”, que as unidades inauguradas recentemente já estavam prontas. Menciona dados que apontam a existência de apenas 1.607 presos no Sistema Prisional do Estado do Piauí, no ano de 2004. Atualmente a população carcerária do Piauí é de 4.600 presos. ‘Na análise desses dados o Sindicato considera que enquanto o número de presos cresceu mais de 3.000 foram criadas apenas cerca de 300 vagas no mesmo período, resultando em uma sobrecarga de trabalho insuportável para os agentes penitenciários, uma vez que no mesmo período o número de agentes permaneceu estagnado”, diz o sindicato.
Menciona sobre o descumprimento de acordos com a categoria, o que contribuiu pela deliberação do movimento grevista, “uma vez que a busca de entendimento com o Governador decorreu de acordo firmado no final do ano passado no Tribunal de Justiça do Estado, quando foi evitado o movimento paredista, mas que algumas pautas deveriam ser tratadas neste ano, o que ainda não ocorreu”.
Além do acordo no TJ, estão na pauta da categoria o debate sobre o plano de reajuste salarial para os próximos anos, o pagamento de insalubridade de acordo com a lei, garantia quanto a nomeação de agentes concursados e melhores condições de trabalho, entre outras.
Fonte: 180graus.com
Edição: Mário Pires Santana