sexta-feira, 6 de outubro de 2017

VEJA TENTA AGORA DESTRUIR O MONSTRO QUE ALIMENTOU

A capa de Veja deste fim de semana é sintomática; ao tratar o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) como "ameaça", a revista da Abril, que contribuiu para criminalizar a política com seu jornalismo de guerra movido contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente deposta Dilma Rousseff, tenta destruir o monstro do fascismo que ela própria ajudou a alimentar; o plano da direita brasileira era promover um golpe e realizar uma "ponte para o futuro", que seria a volta do PSDB ao poder; como deu tudo errado, a mudança de rota agora prevê o combate ao maior beneficiário do ambiente de ódio e desesperança implantado no País por publicações como Veja.
Por Brasil 247
--"Delenda Bolsonaro". Eis o novo grito de guerra que ecoa na Marginal Pinheiros, onde se editam as revistas da Editora Abril. Na nova capa de Veja, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é tratado como "ameaça" e passa a ser o novo alvo a ser destruído. Esse foco no candidato que se consolidou em segundo
lugar nas pesquisas é motivado pelo fracasso do golpe de 2016.
Com seu jornalismo de guerra voltado para a destruição do ex-presidente Lula e da presidente deposta Dilma Rousseff, Veja não alcançou seus objetivos. A meta era criminalizar o PT e colocar Michel Temer no poder para realizar reformas impopulares da chamada "ponte para o futuro". Por futuro, entenda-se PSDB. Como se sabe, tudo deu errado. O golpe apodreceu num mar de corrupção e hoje os políticos do PMDB e do PSDB estão entre os mais impopulares do País, segundo a pesquisa Ipsos. Para piorar o desespero dos meios de comunicação, Lula lidera todas as pesquisas e disputaria um segundo turno com Bolsonaro.
Era natural que o ambiente de ódio disseminado pela mídia tradicional favorecesse o candidato mais identificável com esse sentimento. O prefeito de São Paulo, João Doria, bem que tentou surfar nessa onda, mas o público deixou claro que prefere o original ao genérico.
Agora, portanto, o jornalismo de guerra entra em uma nova etapa de sua batalha. Primeiro, é preciso destruir Bolsonaro para depois retomar os ataques a Lula.
Edição: Mário Pires Santana