terça-feira, 17 de outubro de 2017

Violência aumenta no Brasil

Por *Deusval Lacerda de Moraes

A economia gira. Ela não é estática e, por isso, não se deixa parar. É a busca permanente de perspectivas. E as oportunidades podem ser institucionais, legais, ou à margem da lei, da ética, da moral e dos bons costumes. E, assim, ela vai se amoldando às conjunturas que vão surgindo. Para ilustrar, observou-se que à medida que a economia brasileira cresceu nos últimos tempos, alavancou também a corrupção no País, como filão econômico-patrimonial gerado no incremento das relações público-privadas.
Mas a atividade marginal não é diferente em outros campos. E como a governança brasileira do golpismo é de arrocho, ou seja, de austeridade fiscal e de recessão econômica, com a consequente restrição do mercado formal, contribuiu ainda mais para o recrudescimento da violência em terras brasílis. É inevitável que seja assim, pois se o governo espúrio não cumpre a sua parte, omitindo-se no que há de mais comezinho da atividade pública, negligenciando as suas responsabilidades e depreciando a institucionalidade governativa, e ainda por cima adotando medidas que aumenta o desemprego, a fome, a miséria e a pobreza, reduz investimentos na saúde e na educação, e corta gastos dos programas sociais, só se pode esperar a gravidade dos dramas sociais nacionais. À guisa de comprovação desses fatos, A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou que os casos de roubo seguido de morte aumentaram 25,15% (de 163 para 204) no Estado, ao longo do primeiro semestre, período em que 207 pessoas morreram durante assaltos, montante que totaliza 23,21% a mais do que o de janeiro a junho do ano passado. Só na cidade de São Paulo houve uma alta de 45,10% com 74 assassinatos do gênero. O principal alvo dos meliantes tem sido os roubos de cargas, que avançaram 23,17% com registro de 5.417 ocorrências. Já os assaltos em geral tiveram um pequeno crescimento de 0,68%, totalizando quase 162 mil casos, dos quais metade foi na capital paulista (80.724), onde tais ações se ampliaram em 3,29%.
E assim é a tônica em todos os rincões do País. A direita, acuada no seu marasmo governamental, deixou a violência e a delinquência tomar de conta do Brasil. Há aglomerados urbanos em que o crime organizado supera as forças de segurança oficiais, o que fica demonstrado que o golpe parlamentar-constitucional-judicial foi uma lástima de todas as formas e maneiras para o povo brasileiro.
*Economista
Edição: Mário Pires Santana