sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Votação no Senado sobre Aécio Neves: Regina e Ciro confirmam posições, Elmano suja biografia

Ainda sobre a votação que liberou geral para Aécio Neves. Agora queria tratar da performance dos senadores piauienses naquela votação.
Por Oscar de Barros

Regina Sousa (PT), votou pela punição a Aécio Neves. Ciro Nogueira (PP), votou pela absolvição de Aécio Neves. Elmano Ferrer (PMDB), também absolveu o “Mineirinho”. O voto de Regina e de Ciro já era esperado. O de Elmano, nem tanto.
Regina Sousa é petista da cepa. Fundou, liderou, presidiu o Partido e tem com o PSDB de Aécio grandes refregas políticas. Ciro é um político da tradicional política brasileira. Pensa e age pela direita e, quando a esquerda está no comando, aproxima-se dela, porque, é no poder, que se faz grandes negócios. Elmano Ferrer, servidor público de carreira, ocupou diversos cargos públicos e foi vice-prefeito e prefeito de Teresina, indicado pelo maior grupo empresarial do Estado. Em 2014, elegeu-se Senador da República pelo PTB, trocando-o, logo após, pelo PMDB.
Elmano tinha tudo para fazer um brilhante mandato de senador, mas vai dando passadas largas para o ostracismo quando terminar sua aventura senatória. Elmano tinha tudo para brilhar porque já estava com sua vida pessoal mais que encaminhada quando chegou ao Senado. Por conta da sua já avançada idade, não teria disponibilidade para outras grandes e desafiadoras aventuras eleitorais. Então era, durante os 8 anos de Senado, exercê-lo com altivez, independência, coerência e no atendimento dos anseios do eleitorado brasileiro. Mas o Senador ‘Vein’ preferiu trilhar o caminho da condenada política brasileira. Fez uma troca (inexplicável) do PTB pelo PMDB no momento em que o Partido deixou de ter qualquer resquício do velho MDB de Ulisses Guimarães. Bandeou-se para o PMDB de Temer, Gedel, Padilha e Jucá (a quadrilha que assalta o Brasil diariamente). O que o Piauí e Elmano ganharam com esta troca? Vergonha, muita vergonha!
Elmano após tornar-se peemedebista desandou de vez. Votou a favor da limitação de investimentos em saúde e educação, votou a favor da reforma trabalhista de Temer que rasgou a CLT e, agora, votou favoravelmente ao corrupto Aécio Neves quando o Senado decidiu pelo não afastamento do senador de Minas Gerais.
É um fim melancólico para quem poderia escrever uma bela página política.
Fonte: 180graus.com
Edição: Mário Pires Santana