quarta-feira, 15 de novembro de 2017

EM NOVO DEPOIMENTO, DELATOR COMPLICA GLOBO E CITA PROPINAS NAS COPAS

O empresário Alejandro Burzaco, que ontem delatou propinas supostamente pagas pela Globo para adquirir direitos de transmissão da Libertadores e da Sulamericana, prestou novo depoimento nesta quarta-feira 15; de novo, mais artilharia contra a emissora da família Marinho; ele afirma que a Globo participou de uma esquema de US$ 15 milhões em propinas – o equivalente a R$ 50 milhões – para assegurar direitos de exclusividade nas Copas de 2026 e 2030; ele também citou uma complexa engenharia financeira, que fez com que o dinheiro fosse pago por meio de subsidiárias na Holanda, país que funciona como paraíso fiscal para multinacionais; depois, a propina foi transferida ao banco suíço Julius Baer, o que indica que ela poderá ser rastreada pela Justiça americana e pela brasileira – neste caso, claro, se houver interesse.
Por Brasil 247
A situação jurídica da Globo se complicou ainda mais nesta quarta-feira 15, no segundo dia de depoimentos do empresário argentino Alejandro Burzaco, que, ontem, já havia delatado a emissora da família Marinho por propinas pagas na compra dos direitos de transmissão da Libertadores da América e Copa Sulamericana. No depoimento de hoje, Burzaco revelou como a Globo participou de um esquema de propinas de US$ 15 milhões – o equivalente a R$ 50 milhões – para assegurar exclusividade nas Copas de 2026 e 2030.
A propina teria sido paga, segundo Burzaco, numa conta no banco Julius Baer, na Suíça, ao dirigente Julio Grondona, já falecido, e que foi homem forte do futebol argentino. À época das negociações, Grondona era também dirigente da Fifa e cuidava dos direitos de transmissão na América Latina. Para que isso ocorresse, a Torneos y Competencias, de Buzarco, teria sido orientada pela Globo a criar uma subsidiária na Holanda, que funciona como paraíso fiscal para multinacionais, para receber a propina, antes de repassá-la à Grondona.
Depois do seu depoimento, rico em detalhes, será possível agora rastrear todo o percurso do dinheiro – da Globo, na Holanda, para a Torneos y Competencias, também na Holanda, e depois para a conta de Grondona, na Suíça.
Ontem, a Globo negou o pagamento de propinas. Disse ter feito sua própria investigação interna, na qual teria chegado à conclusão de que ela própria, Globo, é inocente.
Todas as informações mais quentes sobre o caso têm sido reveladas pelo jornalista Ken Bensinger, que cobre o caso para o Buzzfeed, e está escrevendo um livro sobre a corrupção no futebol, no qual a Globo ocupa posição de destaque. Ao supostamente pagar propinas para adquirir direitos de transmissão de torneios esportivos, a Globo reforça sua posição monopolista na comunicação – o que amplia sua capacidade de manipular a opinião pública e golpear a democracia, como ocorreu em 1964 e 2016.
Leia, abaixo, alguns do tweets de Ken Bensinger:
Mas corrupcion: O Globo, Televisa y Torneos acordaron pagar US $15 millones a Grondona por los derechos televisivos de los mundiales 2026 y 2030 en Brasil y Latinoamerica según el testimonio de Burzaco hoy en Brooklyn.— Ken Bensinger (@kenbensinger) 15 de novembro de 2017
Burzaco dijo que el soborno fue pagado y Grondono recibió el dinero en una cuenta del banco Julius Baer en Suiza— Ken Bensinger (@kenbensinger) 15 de novembro de 2017
To do that, T&T sold the rights to T&T Netherlands, a subsidiary, at below market price and then took payment from TV Globo for its rights to broadcast the tournaments. A portion of that money was then used to pay bribes to CONMEBOL officials, Burzaco said.— Ken Bensinger (@kenbensinger) 15 de novembro de 2017
O Globo, in response to Burzaco's testimony denies paying bribes. In a statement Tuesday it said it doesn’t “make or tolerate any bribe payments.” But today Burzaco said TV Globo paid part of a $15 million bribe for 2026 and 2030 World Cup rights.— Ken Bensinger (@kenbensinger) 15 de novembro de 2017
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.