quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

FANAL DO CONDOR SOLAR

Por Diego Mendes Sousa
O sol é um olho alérgico
sobre a orfandade que rasoura
o meu mistério de condor
enfurecido de sonho.

Deus sabe da dor
que imprimo em versos enfim
e em ruídos de claridade.

À noite, os fantasmas irão aplacar
os desassossegos do tempo,
no silêncio,
- manivela de bronze ardente!
Comovente!
Que somente
os poetas aquietam.
Foto: Reprodução
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.