domingo, 25 de fevereiro de 2018

Morreu, Juarez: Fortaleza numa bola de sorvete

Gostava que fosse tardinha e pudesse ir ao Juarez, na Barão de Studart, a avenida que vai ao mar, escorrendo do lombo da cidade, que se encurva bem ali, naquele pedaço da Aldeota.
Por Henrique Araújo
Na fervura dos dias, tangerina, sempre. O mais famoso. Nunca puxei conversa. Reparava no homem atrás dos bigodes, a expressão severa de quem cuidasse de um arcano. Era a receita. Secreta, cabia unicamente no punhado do pensamento, que levava à cozinha para o preparo das bolas sem coisa que causasse mal às gentes. Juarez era fit antes da modinha. Low profile antes dos endinheirados. E retrô antes das festinhas. O ar de bodegueiro lembrava os armarinhos da infância, aonde ia atrás de linha de arraia e papel de seda, mas também de folha de almaço pra rabiscar os amores de menino. Outra época. Ria que pusesse numa placa o que não tinha no sorvete: emulsificante, glucose, fermento sólido, liga especial, xarope, ovo, maisena e a terrificante gordura trans.
Aos 90 anos, morre fundador da Sorveteria Juarez. Referência na gastronomia, o próprio Juarez escolhia as frutas para fazer os sorvetes.
Era como dissesse: coma sem vexame, crente de que emborcar a mistura dulcíssima goela adentro numa terça calorenta é que nem fazer um exercício na
academia, tão saudável era. E disso se servia bem a freguesia do Juarez. Do calor e do sabor da Cidade.
Lugar avarandado, aberto, bancos em pedra e telhado de amianto. Lixeira e pia. Maquinário à mostra, vetos poucos: cachorro e cigarro. E os sabores indicados numa placa modesta. Cinquenta ou cem, pouco interessava. Importava o vezo de simpatia ao balcão e a esperteza de olhar e enxergar não o cliente, mas o amigo.
Hoje, quinta, amanheceu escuro na Capital. Tempo bonito pra chover. Gostava agora, só por umas horas, que fosse bem quente, a ponto de largar o trabalho e sair a pé à Barão. Lá encontrar o mesmo homem atrás do bigode. Pedir uma bola de tangerina, ainda que já fosse almoço. E lembrar que Juarez é como uma Fortaleza congelada no tempo.
Mas, hoje, logo hoje, calhou de esfriar na cidade, e todas as sorveterias do mágico nonagenário estão fechadas.
Grifos do Editor
Fonte: Página do Facebook do amigo, Helder Fontenele/Parnaíba das Antigas
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.