quinta-feira, 1 de março de 2018

VERÍSSIMO: GOLPE DE 64 E INTERVENÇÃO DE 2018 MOSTRAM MANIA DE RECORRER AOS MILITARES

"O golpe de 1964 e o convite para intervir de 2018 refletem a mesma mania nacional de apelar para os militares como uma espécie de instância final antes do caos. Ou o caos, ou eles. Como se o apelo aos militares não fosse um ingrediente do caos e uma evidência de falência", escreve o jornalista Luis Fernando Verissimo.
Por Brasil 247

Em sua coluna nesta quinta, Luis Fernando Veríssimo apontou semelhanças entre o golpe de 1964, que instalou uma ditadura por 20 anos, e a intervenção atual no Rio de Janeiro.
"Em 2018, um general foi chamado para pôr ordem na bagunça do Rio, com uma missão definida, num local definido e contra um inimigo definido — que em 64 já existia, só não tinha fuzis de assalto. Ao contrário dos generais de 1964, o
general de 2018 não vai se instalar no poder — ou vai, não se sabe, bata na madeira —, e seu mandato, também definido, é de um ano. Se o general de agora tiver sucesso, sua intervenção pode se expandir no espaço e no tempo, para o resto do país e para 20 anos ou mais.
De qualquer maneira, o golpe de 1964 e o convite para intervir de 2018 refletem a mesma mania nacional de apelar para os militares como uma espécie de instância final antes do caos. Ou o caos, ou eles. Como se o apelo aos militares não fosse um ingrediente do caos e uma evidência de falência", escreve.
Fonte: Brasil 247

Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.