sexta-feira, 18 de maio de 2018

HERCULANO MORAES: UM NOME QUE FICARÁ

Há crônicas que não gostaríamos de escrevê-las, porém, não podemos fugir de fazê-lo. Hoje, o meu tino poético e jornalístico, assim se encontra. 
Por *Wilton Porto
Hoje, por volta das 18h, faleceu um grande amigo: Poeta, Jornalista, pesquisador da literatura piauiense, fundador de várias academias de letras, no Piauí, membro da Academia Piauiense de Letras (APL)...
HERCULANO tinha fome de fazer. Brilhante nas ideias, pesquisador nato, a poesia fluía fácil da mente dele. Hábil Jornalista era um homem comprometido com os acontecimentos do nosso tempo, o que buscava, a todo custo, registrar com sabedoria e elegância. A poesia fluía cadenciada e rítmica da caneta dele. Os trabalhos literários que trouxe a lume, não ficaram presos numa gaveta de escrivaninha. Ganharam vôo e foram alumiar plagas tantas. Ele não nasceu para viver na obscuridade, então, o nome dele se tornou estrela e todos queriam tocá-lo. Ouvi-lo, lê-lo... Nos seus poemas longos ou breves, tinham encanto, Musicalidade e arte dourada. E não foi por acaso, que Herculano se manteve entre os grandes, sendo espelho para muitos. Não foi sem motivo, que era tão amado. Apesar da sapiência e projeção, ajudava a muitos e era virtuoso na humildade. Fomos bons amigos. Daqueles que se encontram e sentem prazer no encontro. Que a presença é indispensável. Que se ajudam mutuamente e existe alegria no ajudar.
Quando ele tinha viagem para Parnaíba, o aviso chegava. E se haveria algum trabalho a desenvolver, ele nos queria na equipe: Eliana sempre era cogitada. Ele fez questão de publicar o meu livro: O CURTIDOR DE PELES, com prefácio dele e comentário de pós capa de Assis Brasil. 
Ajudou-nos com livros para bibliotecas e se dispunha a fazer palestras. Procurou unir pessoas de letras e tentou introduzir, em Parnaíba, a Academia de Ciência e Letras, em que o meu nome fora apontado para assessoria. Mente inquieta, tinha pressa em levar cultura para onde o seu pensamento alcançasse. Talvez soubesse que sua partida tinha tempo determinado. Muitas vezes, vinha à nossa casa, e aqui se projetava ideias valorosas. 
Num grande encontro literário, de nivel de Piauí, numa ideia dele, fomos convidados para fazer parte da equipe de organização e de debate. Aconteceu em Parnaíba. Esse homem era determinado, evoluído, brilhante e pensamento ágil. Sabia fazer política tão bem, quanto usar da caneta. Por isso, exerceu elevados cargos. O seu nome figurará entre os que marcaram a história da cultura do nosso estado.
Wilton Porto e Eliana Porto.
Em tempo essa crônica foi escrita ontem.
Foto/Reprodução/WEB
*Escritor, poeta, jornalista, acadêmico da APAL
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.