terça-feira, 28 de agosto de 2018

NO FINANCIAL TIMES, AMORIM CRITICA “AMARGURA” DE FHC CONTRA LULA

O ex-chanceler Celso Amorim respondeu nesta terça-feira, 28, em artigo no jornal britânico Financial Times, aos ataques do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso contra o ex-presidente Lula; "Como alguém que sonhou um Brasil democrático, eu nunca tinha imaginado que chegaria o dia em que um verdadeiro representante da classe trabalhadora se tornaria presidente. É com decepção que eu vejo a amargura com a qual o ex-presidente descreve a luta de Lula para provar a sua inocência", escreve Amorim.
Por Brasil 247

O jornal Financial Times publicou nesta terça-feira, 28, artigo do ex-chanceler Celso Amorim em que ele rebate texto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso publicado pelo jornal britânico. 
"Como alguém que sonhou um Brasil democrático, eu nunca tinha imaginado que chegaria o dia em que um verdadeiro representante da classe trabalhadora se tornaria presidente. É com decepção que eu vejo a amargura com a qual o ex-presidente descreve a luta de Lula para provar a sua inocência", escreve
Amorim no texto.
No artigo de FHC, o tucano nega que a legislação brasileira tenha sido empregada arbitrariamente para prender e inviabilizar a candidatura de Lula, e também nega que tenha havido um golpe parlamentar contra a presidente deposta Dilma Rousseff
"Lula é de longe o candidato preferido da maioria dos brasileiros. Um grande número de juristas, estadistas e intelectuais ao redor do mundo tem defendido que a liberdade de Lula e seu direito a ser candidato à Presidência são essenciais para a consolidação da democracia no Brasil", defende Amorim.  
Leia, abaixo, o texto de Celso Amorim na íntegra:
Escrevo em resposta ao artigo do ex-presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso, em cujo governo eu servi como embaixador no Reino Unido há 16 anos.
Depois que Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito presidente do Brasil em outubro de 2002, tendo derrotado seu adversário, que pertencia ao mesmo partido do Sr. Cardoso, por uma ampla margem, oito anos de prosperidade se somaram ao crescimento de justiça social. Isso se refletiu em níveis de popularidade nunca antes atingidos por qualquer outro presidente do Brasil. As políticas de Lula despertaram admiração ao redor do planeta.
Diferentemente de alguns neoconservadores da era de George W Bush, que em 2002 pensaram que uma vitória de Lula colocaria o Brasil no "eixo do mal", o Sr Cardoso é uma pessoa inteligente e culta, um renomado sociólogo, responsável pela chamada teoria da dependência, muito popular durante um período no meio acadêmico. Ele foi um dos principais líderes do movimento político que resultou no fim da ditadura militar.
Como alguém que sonhou um Brasil democrático, eu nunca tinha imaginado que chegaria o dia em que um verdadeiro representante da classe trabalhadora se tornaria presidente. É com decepção que eu vejo a amargura com a qual o ex-presidente descreve a luta de Lula para provar a sua inocência.
Lula é de longe o candidato preferido da maioria dos brasileiros. Um grande número de juristas, estadistas e intelectuais ao redor do mundo tem defendido que a liberdade de Lula e seu direito a ser candidato à Presidência são essenciais para a consolidação da democracia no Brasil.
Em 17 de agosto, o Comitê de Direitos Humanos da ONU solicitou que o Brasil tomasse "todas as medidas necessárias" para assegurar os direitos políticos de Lula enquanto ainda há recursos a serem julgados. Nossas autoridades na Justiça agora encaram o "desafio" de fazer valer suas repetidas declarações sobre o respeito às normas internacionais envolvendo direitos humanos.
Celso Amorim
Fonte: Brasil 247
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.