domingo, 2 de setembro de 2018

13 provas de que a direita errou feio

POR *CARLOS D'INCAO
Então a direita resolveu dar outro golpe e impugnou a candidatura de Lula... Caiu como um patinho da FIESP em seu maior erro histórico. Haddad pode não ter a popularidade e a história de vida de Lula. É até óbvio que não tenha. É mais jovem e tem muito pela frente. Mas aqui vão 13 provas de que a direita errou feio ao tirar Lula e colocar Haddad no fronte.
1- Haddad herdará todos os votos de Lula.
2 - Haddad tem um conhecimento sobre o Brasil que poucos intelectuais possuem.
3 - Não é um político chicaneiro que fica esmolando apoio da direita.
4 - Tem ideias progressistas sólidas e conhece bem o que está em jogo no Brasil, no Mundo e no jogo político brasileiro.
5 - Tem muito mais eloquência e conhecimento teórico que Ciro em qualquer área do saber. E de "bônus" tem uma postura de um verdadeiro estadista. Não é um destemperado que morre pela boca.
6 - Haddad dá um olé em todos os jornalistas da direita. Tem clareza nas ideias e não cai em armadilhas.
7 - É um candidato moderno que sabe dialogar com todos os setores da
sociedade civil de forma franca, sincera e soberana.
8 - É uma pessoa com firmeza de convicções e que sabe com quem deve e com quem quem não deve sentar, quando tiver que conversar com o grande capital.
9 - Representa o novo, com Manuela D'Ávila como sua sucessora natural. Não tem medo de assumir que a saída do país e do mundo é pela esquerda.
10 - É um homem que sabe se valer das novas linguagens para se comunicar com a juventude, sem abandonar a esquerda tradicional que - corretamente - aponta as contradições de classe como nosso maior desafio civilizacional.
11 - Haddad é o novo em sua forma de síntese superadora. Um político com a cara e com a essência de um século XXI alternativo. Um líder que poderá colocar o Brasil no seu devido lugar no mundo, ou seja, como um país soberano e uma potência econômica.
12 - É um político que sabe conversar de forma serena e com profundidade sobre a nossa complexa realidade, mas que também sabe ir para as ruas levantar as massas para as lutas que estão por vir.
13 - Haddad aprendeu bem que a elite brasileira não possui um projeto de desenvolvimento para o Brasil, mas um projeto de entrega de nossa nação. Não será um conciliador. Será aquele que dará início a uma nova era para a América Latina. Não há nesse hemisfério um líder tão espetacular como Haddad.
Por isso, deixemos os mortos enterrarem os seus mortos. É um privilégio termos Haddad como candidato. Haddad é o presidente que o Brasil precisa. E o resto é de 13 a 13.
*Carlos D'INCAO é historiador
Fonte: Brasil 147
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.