sábado, 1 de setembro de 2018

Campanha contra sarampo e pólio ainda tem 15% das crianças sem vacina

Apenas seis estados atingiram a meta de vacinação de 95%, estipulada pelo Ministério da Saúde.
Da Folhapress
Após dia extra na campanha, balanço do Ministério da Saúde aponta que mais de 9,5 milhões de crianças entre um e cinco anos de idade tomaram vacina contra a poliomielite e o sarampo.
O índice equivale a 85% do público-alvo, formado por 11,2 milhões de crianças nessa faixa etária. Isso significa que 1,7 milhão, ou 15%, ainda não foram vacinadas. Nesta sexta (31), outro balanço mostrou que cerca de 2,2 milhões de crianças não tinham sido imunizadas -20% do público-alvo.
Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde após as 13h deste sábado (1º). Novo boletim deve ser publicado ao fim do dia, de acordo com a pasta. A maioria dos estados está com a média de vacinação abaixo da meta de 95%, estipulada pelo Ministério da Saúde. Só seis chegaram a esse índice, de acordo com o boletim mais recente: Espírito Santo, Santa Catarina, Pernambuco, Rondônia, Amapá e Sergipe.
O objetivo da campanha é reforçar a imunização e conter o avanço do sarampo
no país, doença que já leva a surtos na região Norte. Em meio a essa dificuldade, o Ministério da Saúde passou a orientar estados e municípios que ainda não atingiram a meta de vacinar 95% das crianças para que mantenham postos de saúde abertos por horário estendido neste sábado (1º).
Na prática, a medida deve funcionar como um segundo "dia D" da campanha de vacinação. O primeiro ocorreu em 18 de agosto.
Reforço
Neste ano, a campanha de vacinação é "indiscriminada", o que significa que mesmo crianças que estão com a carteirinha de vacinação em dia devem receber novas doses de reforço contra as duas doenças.
O objetivo é elevar a cobertura vacinal no país e reforçar a proteção de já vacinados. Desde fevereiro, o país já registra 1.553 casos de sarampo, com sete mortes. Outros 6.975 casos permanecem em investigação. Já a poliomielite preocupa diante da queda nas coberturas vacinais, o que aumenta o risco de retorno da doença caso haja nova reintrodução do vírus no país e contato com não vacinados.
Durante a mobilização, a aplicação das doses tem esquemas diferentes dependendo da situação vacinal de cada criança. Crianças que nunca tomaram nenhuma dose de vacina contra a pólio, por exemplo, devem receber uma dose da VIP (vacina injetável).
Já aquelas que já tiverem tomado uma ou mais doses recebem a VOP (vacina oral), conhecida como gotinha. A ideia é reforçar a imunização contra a doença.
Contra o sarampo, a campanha prevê que todas as crianças recebam uma dose da vacina tríplice viral. A exceção são aquelas que já foram vacinadas nos últimos 30 dias.
Fonte: portalodia.com
Informações da Folhapress
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.