terça-feira, 9 de outubro de 2018

A hora do povo

Passamos por um primeiro turno eleitoral dos mais estranhos da história brasileira. 
Por *Joaquim Ernesto Palhares
Não bastasse o principal candidato do povo estar encarcerado na República de Curitiba, proibido de vencer as eleições, temos um candidato fascista e nos encontramos agora sob ameaça de retorno do obscurantismo.
Um retrocesso que começou a ser estruturado em julho de 2013, quando a direita (Rede Globo à frente) se apropriou da pauta reivindicatória daquele momento. Desde então, não tivemos sossego. Em março de 2014, ano eleitoral, iniciou-se a Lava Jato; ao perder as eleições, Aécio Neves não reconheceu a vitória de Dilma Rousseff, provocando, além da crise econômica e política que vivemos, a derrota fragorosa do PSDB nestas eleições, que poderá levá-lo à extinção. 
Em 2015, Globo, Parlamento golpista e Judiciário, passando por cima de 54 milhões de votos, impediram Dilma de governar, abrindo as porteiras do ódio. Não foram os fatos, mas a construção do anti-petismo e do ódio à esquerda que levou ao impeachment de Dilma. Em 2017, assistimos à condenação sem provas de Lula e, neste ano, sua prisão política. Nem mesmo a decisão liminar do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas ou as inúmeras manifestações de centenas de juristas nacionais e internacionais, intelectuais e lideranças de todos os continentes, puderam conter o desejo ensandecido de eliminar Lula, o Partido dos Trabalhadores e a esquerda da direção dos rumos deste país.
Os dois grandes vitoriosos deste primeiro turno são Lula e Bolsonaro. 
Apesar de todas as restrições de sua liberdade – proibido de escrever, de falar e conceder entrevistas, de receber pessoas de suas relações, de ser candidato e o presidente do Brasil –, Lula tornou viável o seu candidato Fernando Haddad, praticamente desconhecido da grande população brasileira.
Haddad, aliás, saiu-se muito bem. Alcançou 29% dos votos válidos em um ambiente – repito – de extremada rejeição ao PT e seus aliados. Exemplo disso foi a não eleição do ilustre senador do Paraná, Roberto Requião; do incansável e sempre lutador das causas sociais, Eduardo Suplicy; do jovem e aguerrido lutador Lindberg Farias; e da própria ex-presidente Dilma Rousseff, impichada sem crime algum. 
Jair Bolsonaro, mesmo que derrotado num segundo turno, sairá como vencedor. Na crista do ódio, ele foi favorecido pela implosão do PSDB e por candidaturas que precisaram negar Temer para sobreviver, vide a bronca pública dada pelo presidente golpista a Geraldo Alckmin. É preciso reconhecer que Bolsonaro conquistou uma imensa base social. Seu discurso de ódio e violência vem capturando insatisfações desde os jovens às viúvas da ditadura, desde a periferia às elites brasileiras, sob aplauso dos fabricantes de armas. 
Neste domingo, assistimos aos brasileiros votarem pelo retorno da ditadura. Responsável pela construção da polarização social no país, a Globo disseminou diuturnamente o anti-petismo, reaplicando sua velha receita de anticomunismo. O feitiço, porém, pode virar contra o feiticeiro, inaugurando um turno de disputa pelos recursos públicos de propaganda e marketing do novo governo que virá a se instalar. Até agora, a diferença entre Globo e Record era de bilhões de reais; tudo indica, que ela irá se reduzir drasticamente se Bolsonaro for eleito. 
A partir de hoje, passamos a enfrentar uma oposição muito distinta daquela que enfrentamos até agora com os tucanos. É uma nova realidade: a da disputa com a extrema direita, assumidamente antidemocrática, com um projeto fascista de poder, profundamente violenta e contrária aos valores laicos do Estado e dos direitos humanos. 
Uma extrema direita nenhum pouco nacionalista, cujo capitão Messias bate continência para a bandeira norte-americana e tem Trump como ídolo. Paulo Guedes, um ultraliberal da escola de Chicago, entregará o país ao mercado em tenebrosas transações. Esse é núcleo duro da extrema direta brasileira. 
O ódio não cria emprego, não aumenta a renda, não resolve os graves problemas sociais do Brasil, da saúde, da educação e muito menos da segurança pública. Armar a população só atende ao lucro da Taurus, fabricante de armas; não o imenso problema da desigualdade social do Brasil. Aliás, o alimento do ódio é a desigualdade. É sobre ela que precisamos falar a partir de agora.
Vençamos ou não, precisamos nos preparar para enfrentar essa nova força, a partir da aliança com partidos, entidades da sociedade civil e pessoas progressistas que possam defender a democracia em um novo patamar. O momento é de união e não mais de divisão. União fundamental tanto para a sustentação do futuro governo Haddad quanto para o fortalecimento da resistência contra o fascismo e o ódio.
Em 2019, a questão da mídia será central. Independentemente de quem ganhar a eleição, Globo e Record estarão em franca disputa e as redes sociais permanecerão dominadas pelo ódio contra a esquerda, propagado por ambas concessionárias públicas, e pela milícia virtual do messias que conta com fartos recursos de empresários brasileiros e estrangeiros como estamos vendo ao longo desta campanha.
Em meio a esta guerra, a Mídia Alternativa ou o que restar dela terá enorme dificuldades de sobrevivência. Aos 72 anos de idade e 56 de militância política, eu estou com muita vontade de trabalhar em 2019. Projetos não faltam. Sabemos perfeitamente o que precisamos fazer; para isso, Carta Maior precisa de uma enorme mobilização de seus leitores. 
Vocês são os protagonistas deste processo. Carta Maior é mero instrumento entre o pensamento de vocês e a realidade política que estamos vivendo. Para que possamos avançar, com condições de enfrentarmos o que virá pela frente, a doação de nossos leitores é fundamental. Hoje, contamos com 300 mil leitores mês dos quais somente dois mil são doadores, este número precisa crescer sob pena de sermos obrigados a encerrar os 17 anos de luta da CM. 
Com apenas R$1,00 por dia, R$30,00/mês, você pode agregar força e legitimidade a essa trincheira. Quem puder, DOE MAIS (clique aqui e confira opções de doação) possibilitando que o nosso conteúdo também ultrapasse os limites atuais. E, por favor, cadastrem-se na Carta Maior ou atualizem seu cadastro clicando aqui. Precisamos nos manter unidos e em contato permanente frente a qualquer eventualidade. Sigamos juntos e mobilizados.
*Joaquim é Diretor da Carta Maior
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.