sexta-feira, 30 de novembro de 2018

A crise que assombra

A crise da segurança pública do Piauí está em via de chegar ao descalabro de um estado sem controle, com os primeiros sinais da violência desmedida chegando em passos largos e por repetidas ações da barbárie.
Por Arimatéia Azevedo 
Os carros da polícia estão sem combustível, e , em muitos casos, os policiais rodando no próprio veículo e com o combustível saindo dos próprios bolsos, o que é, há de se convir, um absurdo. No interior, a situação beira a irresponsabilidade, porque nada está funcionando na polícia civil do Piauí. Ou seja, o sinal de que a violência pode chegar de uma forma bem mais rigorosa na capital foi dado ontem, com o retorno dos assaltos aos carros fortes, com violência e ousadia, como se viu em São João da Varjota, bem no centro do Piauí, nos moldes do que aconteceu três dias antes, em Bacabal, no Maranhão. Se o governador Wellington Dias diz que precisa reduzir urgentemente as despesas em pelo menos R$ 150 milhões, tão importante quanto isso é que os primeiros passos para fazer a máquina funcionar sejam visíveis ainda este ano, especialmente porque, nas proximidades do Natal, aumenta o número de assaltos, de assassinatos, de roubos e crimes de toda espécie. Ou a polícia age para inibir os ladrões, ou a população será vítima indefesa de uma polícia sem ação e sem meios. Chega a ser desrespeitoso até para o eleitor se ouvir o e ex e futuro secretário de segurança mais preocupado no momento em falar em candidatura à prefeitura numa eleição que só ocorrerá daqui a dois anos.
Fonte: Portal AZ
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.