quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Pais optam por comprar material escolar pela internet e garantem economia

Além dos descontos, outro fator que atrai os pais para a compra virtual são as facilidades de pagamento.
Por Isabela Lopes
Antes de comprar, é preciso comparar se o valor mais barato compensa diante do preço do frete e do prazo de entrega dos produtos. Foto: Jailson Soares/ODIA
Inicia janeiro e os pais já estão preparando o bolso para os gastos com a compra do material escolar dos filhos. Mas, há como economizar diante desta despesa? A enfermeira Nayara Lopes Viana, de 36 anos, acredita que sim e afirma que este é o primeiro ano em que compra o material da filha pela internet. Ela conta que chegou a pesquisar em alguns sites, mas após a indicação de uma amiga e devido às boas referências que teve em relação aos valores e prazos, optou por comprar online.
“Eu cheguei a pesquisar em livrarias, inclusive nas que costumava comprar em anos anteriores, mas parti para outras opções, pois estava achando caro e as condições de pagamento não estavam muito boas, pois o desconto à vista era muito pouco. Com os preços das livrarias em mãos, eu fui pesquisar na internet e me surpreendi, porque cheguei a encontrar um dicionário em Teresina de R$ 72 e na internet custava R$ 16”, conta. Neste caso do dicionário, Nayara chegou a ter uma economia de quase 4 vezes do valor cobrado em uma livraria na Capital. E o mesmo pode ser aplicado com os livros, que estavam até 40% mais baratos online do que em livrarias físicas.
“No final das contas, e pelos meus cálculos, eu economizei entre R$ 500 e R$ 600. Eu acredito que em livraria é mais caro por conta dos custos que se tem para manter um estabelecimento e funcionários, enquanto na internet a facilidade é maior. Eu fiquei com medo de não dar certo, mas ocorreu tudo bem. Estou acompanhando o material pelo site e em breve estará chegando”, conta a mãe.
Outro fator que contribuiu para que Nayara Lopes comprasse pela internet foi a forma de pagamento. Se fosse pago à vista, era dado 10% de desconto. Se fosse no cartão de crédito, o valor poderia ser dividido em até 10 vezes. Na internet, além do valor ser abaixo do que os das livrarias, as formas de pagamentos eram mais vantajosas e eram válidas tanto para pagamentos à vista como parcelado.
“Eu cheguei a participar de um grupo de troca de livros usados e até consegui adquirir dois livros paradidáticos com desconto de mais de 50% e ainda em boas condições de uso, então também valeu bastante à pena. Essa foi minha primeira experiência e, com certeza, indicaria para outras pessoas. Esse site foi o mais completo, encontrei tudo que queria e os preços baixos fizeram bastante diferença e compensou a espera pelo envio”, finaliza Nayara Lopes.
Economista revela outras dicas para garantir descontos
Segundo o economista Fernando Galvão, também é possível comprar livros em sites diretamente das editoras, fazendo com que o custo fique mais em conta do que se fosse comprado em livrarias. Além disso, comprar em grande quantidade pode fazer com que esse valor caia ainda mais.
“Comprando direto com a editora é mais vantajoso porque não tem a distribuidora, que faz com que o preço aumente. Os pais também podem se reunir em grupos de redes sociais e trocar informações de locais que vendem mais em conta ou onde tiveram mais vantagens. Se eles comprarem juntos, pode ser que o valor fique ainda mais em conta”, comenta.
O economista explica ainda que os pais devem fazer uma boa pesquisa, tanto nas livrarias quanto em sites, para verificar o que é realmente mais vantajoso, seja com relação à forma de pagamento, prazo de entrega e disponibilidade de materiais. Ele explica que, em casos de compras online, é preciso verificar o valor do frete, que se somado, superar o preço da livraria, torna-se inviável.
“Quando os pais forem comprar eles precisam levar isso em consideração, assim como o tempo de entrega, porque, dependendo de como seja, pode não compensar. É importante também os pais saberem que não precisam esperar a lista completa ser liberada pela escola. Eles podem ir comprando outros materiais mais gerais, como cadernos e mochilas, que não dependem da lista, ou ainda dividir o material no primeiro e segundo semestre, assim não fica muito pesado no começo do ano, que os pais já têm outros gastos”, lembra.
Fonte: portalodia.com
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.