quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Reformas no retalho

Por *Arimatéia Azevedodo Portal AZ

A proposta de reforma da previdência federal, propositadamente, tem os chamados jabutis para serem negociados. Tudo já devidamente planejado, de tal forma que o governo quer passar para a opinião que não vai estabelecer o toma ‘to-ma-lá-da-cá, muito conveniente em outros governos. Bolsonaro, no discurso, que quer tudo devidamente republicano, mas não será. Aqui no Piauí, na proposta de reforma administrativa do governador Wellington Dias foi propositadamente colocada a impossibilidade de reajuste para qualquer categoria do Executivo, mas dependendo da pressão dos senhores deputados, e do tamanho da zoada que as corporações farão, haverá uma brecha para a retirada dessa parte da reforma. Ontem, o deputado Franzé, um dos mais próximos de Wellington, já apelou para que o governo retire a parte que trata de congelamento e reajuste salariais. Aí o governo vai negociar ponto
a ponto – não é com todo mundo – com cada categoria, dando o que puder para uns e não dando nada para a maioria. Muito esperto, para quem dispõe de pouco coisa para dar aos seus aliados na Assembleia Legislativa, da chamada base de apoio. O governado sabe que os deputados, principalmente os novatos, querem alguma coisa, e logo, porque, desde a eleição, eles não ganharam nada ainda do governo porque a equipe do terceiro mandato está mantida. Enquanto os que vêm da gestão anterior querem mais espaços. Então, a situação está assim, uns querem entrar e os outros querem aumentar o quinhão. O novato Henrique Pires alertou que não está indo ao interior para fugir da cobrança, notadamente por cargos, dos correligionários. O que se desconfia que é que pouco mesmo vai sobrar para o funcionalismo. Quanto a Jair Bolsonaro, na reforma da previdência, e nas outras que virão, como a tributária, os pontos de divergência entre Executivo e Congresso Nacional já estão devidamente mapeados e previstos. Além das benditas ‘emendas parlamentares’, até deputado e senador da oposição vão se dar bem na troca de apoio com espaços no Executivo.
Franzé Silva sugere que governo retire parte do projeto da reforma que congela salários (Foto: Lucas Sousa/Portal AZ)
*Irreverente, verdadeira e sem cortes. A principal coluna política do Piauí, que não se prende a pauta do dia a dia.
Fonte: Portal AZ
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.