terça-feira, 19 de março de 2019

Acabou o Brasil?

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho e para o Jornalistas pela Democracia
“Estamos anestesiados com tanta bizarrice e tolerando o intolerável, o absurdo” (Eduardo Moreira, economista). Uma onda de vergonha e indignação tomou conta das redes sociais desde o início da visita da trupe de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos. São tantas as ofensas grosseiras e agressões ao povo brasileiro, à nossa história como país independente, que as pessoas já não sabem mais nem o que dizer. Nem eu. A impressão que dá é de vivermos o fim dos tempos e nada mais nos resta a fazer. Acabou o brasil?
Fora das redes sociais, a vida segue como se nada estivesse acontecendo. Parece que estamos mesmo todos anestesiados diante do acúmulo de barbaridades e sabujices sem fim cometidas nas últimas 48 horas. Tudo mais perdeu sentido e importância, mas os comentaristas da TV tratam esse esculacho presidencial com a mais absoluta normalidade, até acham graça do que está acontecendo. O pior de Jair Bolsonaro é que se trata de um homem de palavra: está fazendo tudo o que prometeu na campanha eleitoral. Ninguém pode reclamar.
Como ele mesmo afirmou logo após sua chegada a Washington, primeiro é necessário “desconstruir o Brasil para livrá-lo do comunismo”, e depois pensar em construir um outro país. Que novo país será esse nem o próprio capitão sabe dizer, em seus delírios megalomaníacos de napoleão de hospício, que pensa ser igual ao seu idolatrado êmulo Donald Trump.
Primeiro, ele resolveu entregar o Brasil de porteira fechada aos fazendeiros americanos. Depois, ele decide o que vai fazer.
No momento em que escrevo, ainda nem começou a “histórica” reunião de Jair com Donald na Casa Branca, e já entregamos todos os anéis, sem ganhar nada em troca, para nos tornarmos uma colonia baba-ovo dos Estados Unidos. A rendição do capitão reformado e seus generais de pijama é absoluta, sem disfarces, tramada à luz do dia e dos holofotes, e consumada em documentos oficiais.
Em 1964, como ficamos sabendo 30 anos depois, o golpe militar foi tramado com o apoio da CIA e dos mesmos aliados que no ano passado prenderam Lula para voltarem ao poder com Bolsonaro. Agora, a agência americana de espionagem recebe a “visita de cortesia”, fora da agenda oficial, de um alegre presidente brasileiro, acompanhado do seu sinistro ministro da Justiça.
Enquanto isso, em Brasília, o filho conhecido como 02, popular “Carlucho”, toma o lugar do general vice no Palácio do Planalto e anuncia no Twitter que está tocando a agenda presidencial, a mando do pai.
E isso é noticiado com a mesma naturalidade de um treino do Flamengo ou do nascimento de um gorila azul no zoológico de Brasília.
Vida que segue.
Fonte: Brasil 247
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.