domingo, 14 de abril de 2019

Governo discute a implantação de placas em barragens para a produção de energia solar

A proposta é da Agência Nacional de Águas (ANA).
Por Wanderson Camêlo
Projeto parecido foi executado, em 2016, no estado do Amazonas (Foto: Divulgação)
O Governo do Estado estuda a possibilidade de permitir a instalação de placas flutuantes, no espelho d’água de barragens, para a produção de energia solar. A proposta, da Agência Nacional de Águas (ANA), já foi discutida por representantes da instituição e da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí (Semar) na última quarta-feira (10).
Antes de definir a viabilidade da realização da proposta, a Semar se comprometeu em fazer um estudo para saber, por exemplo, quantas barragens do estado estariam aptas a receber os painéis solares. “Os recursos arrecadados com a produção da energia seriam destinados à reforma das barragens”, informou o superintendente da Secretaria de Meio Ambiente, Romildo Mafra. Na análise, a extensão do reservatório será um dos fatores levados em consideração. O levantamento deverá acontecer em maio deste ano. “As maiores deverão ser priorizadas porque não têm possibilidade de secar”, explicou o superintendente.
Romildo Mafra (Foto: Reprodução/You Tube)
De acordo com a Semar, existem mais de 30 barragens no Piauí. A barragem de Jenipapo (São João do Piauí) – que tem capacidade de 250 milhões de metros cúbicos de água; e a de Salinas (na cidade de São Francisco) – com capacidade para 340 de metros cúbicos de água, são dois dos principais reservatórios do estado.
A Ana também pretende implementar o projeto nos estados do Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Os painéis solares flutuantes não são novidades no Brasil. Em março de 2016 foi lançado um projeto piloto com 16 painéis de placas fotovoltaicas e geração de 4 quilowatts (kW) no lago da usina hidrelétrica de Balbina, estado do Amazonas.
Fonte: Portal AZ
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.