sexta-feira, 17 de maio de 2019

Com ações simples, Papa Francisco mostra a grandeza da fraternidade

Devemos buscar e combater a causa de tanta pobreza e miséria, aquilo que está causando tanto sofrimento aos mais pobres.
POR PADRE TICÃO - PROFESSOR WALDIR
PAPA FRANCISCO. FOTO: ©AFP.COM/VINCENZO PINTO
“Quem tiver duas túnicas, reparta-as com aquele que não tem, e quem tiver o que comer, faça o mesmo”. (Lc 3,11)
Refletindo sobre as palavras de João Batista descritas no Evangelho de Lucas, deparamo-nos com um princípio social-doutrinário extremamente simples em seus dizeres, e profundo em seu ensinamento. Trata-se de uma proposta radical de mudança de vida e do modo de agir: partilhar e não acumular; ser solidário e não indiferente; viver fraternalmente.
Com caráter exortativo e estilo direto, o texto de Lucas relacionado à pregação de João Batista, aponta para uma preocupação com a igualdade social e as relações humanas, propriedades da teologia Lucana. O Batista estabelece a partilha e a solidariedade como regra de vida para todos, independentemente da classe social a qual pertença, afirmando que ninguém pode ser condenado, pela cobiça do outro, a uma vida miserável na qual lhe falte o pão, o teto, o trabalho
e a justiça.
O Batista surge em meio ao povo como um guia sábio nos moldes dos profetas que vieram antes dele. Condenava as injustiças praticadas contra os mais pobres e as acusações falsas levantadas contra aqueles que os defendiam; a corrupção existente entre os publicanos cobradores de impostos, ao mesmo tempo em que incentivava a pratica do bem e da solidariedade.
Séculos depois, surge entre nós um novo profeta, que vive e transmite o fundamento primordial da solidariedade cristã e humana de ajudar ao próximo, sem medir esforços em favor de uma ordem social mais justa: Papa Francisco.
Desde os primórdios de seu pontificado, sua preocupação com os excluídos e marginalizados ficou clara. Ao escrever a exortação “Evangelii Gaudium”, Francisco trouxe à tona questões referentes a uma economia “que mata”, recomendando mudanças urgentes.
Francisco deu início às mudanças que propunha em sua própria casa. Suas atitudes e seu modo de ser e de viver com simplicidade evangélica, não tardou incomodar a muitos daqueles que estavam a sua volta, próximos e distantes.
Fonte: CartaCapital
Edição: Mário Pires santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.