quinta-feira, 6 de junho de 2019

PRESIDENTE DA COMISSÃO DA PREVIDÊNCIA DIZ QUE VOTAÇÃO NÃO SERÁ RÁPIDA

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM), indicou em entrevista coletiva nesta quinta que não espera uma votação célere do relatório, ao contrário do que tem afirmado o ministro da Economia, Paulo Guedes; na entrevista, ele não foi questionado sobre qual pode ser o impacto da greve geral maraca para o dia 14 sobre os trabalhos da comissão;
Por Brasil 247

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PL-AM), indicou em entrevista coletiva nesta quinta-feira (6) que não espera uma votação célere do relatório, ao contrário do que tem afirmado o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele afirmou que a duração dos trabalhos dependerá do nível de acordo a que se chegará em torno do relatório. Na entrevista, ele não foi questionado sobre qual pode ser o impacto da greve geral maraca para o dia 14 sobre os trabalhos da comissão.
Para Ramos, sem entendimento político não há como evitar que as bancadas apresentem destaques e requerimentos que podem postergar a votação. "A velocidade depende do nível de acordo da matéria. Podemos votar em um dia ou três dias. Lembro do exemplo da CCJ: demoramos 61 dias quando não havia acordo, e apenas 1 dia para aprovar a partir do acordo", afirmou.
Ramos também lembrou que na semana de 17 a 21 de junho só haverá sessão segunda e terça e que a tradição é não haver quórum durante as festas juninas, na semana seguinte.
Fonte: Brasil 247
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.