terça-feira, 2 de julho de 2019

Sobre Velas Náufragas (Editora Penalux, 2019) de Diego Mendes Sousa.

Por *Wilton Porto
Foto: Delta do Rio Parnaíba -  De Moraes Brito
Seu longo poema bem tem o seu estilo eclético e inundado pelo épico e extravasado por lirismo contundente, em que personagens de gerações e escolas tantas, se integram em um morfoseamento esplêndido.
Na terra pátria, em um relevo luzente, mergulha no saudoso, como também no triste do encanto ora vivido, porém na sela da dor.
Nos embevece pelo lirismo elevado, pela crônica que nos prende e pelo amor que embriaga. Um passado em que incendeia as reminiscências ora angustiante, ora conduzida pela beleza da cultura que fez história. O poema é um hino histórico, em que o poeta irradia a sua gradiloquência e profundidade, conhecimento e zelo, ao se derramar como mestre experimentado e tocado por uma musa inspiradíssima e condoída.
É um livro em que mais uma vez, o poeta diz o motivo da sua trajetória literária, sempre salpicada de luz solar.
A cada dia, ó salutar poeta Diego Mendes Sousa! O estrelismo de sua fronte é magnânima e, por isso, merecedora dos mais efusivos aplausos.
*Wilton Porto, poeta piauiense e membro da Academia Parnaibana de Letras.
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.