quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Atraindo investimentos: Piauí terá maior safra da história

Com 4,42 milhões de toneladas de grãos. A participação do pequeno produtor e agricultura familiar gira em torno de 10%, com a produção.
Do *Geral

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, na terça-feira (10), a previsão para a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas no Brasil para 2019, com base nos resultados obtidos até o mês de agosto. Foi estimada uma produção de 239,8 milhões de toneladas, novo recorde para a produção de grãos do país, 5,9% superior à safra de 2018 (mais 13,3 milhões de toneladas).
Segundo os dados do IBGE, o Piauí produziu em 2018, 4,23 milhões de toneladas de grãos, consolidando o estado como o 3º maior produtor da região Nordeste. Os dados foram divulgados através da pesquisa Produção Agrícola Municipal (PAM). O número corresponde a 1,90% do total que é produzido no país.
Ao fazer uma avaliação da safra de grãos 2018/2019, Lívio Moura, gerente de fruticultura da Secretaria do Agronegócio do Piauí, explica que as principais produções do estado são soja, milho, feijão, arroz e sorgo. Nesse balanço, a participação do agronegócio empresarial chega a 90%, com 4 milhões de toneladas de grãos, sendo que desse total, a soja é responsável por 50% dessa produção. Já a participação do pequeno produtor e agricultura familiar gira em
torno de 10%, com a produção, onde se destacam a produção de milho e feijão.
Segundo Lívio, o resultado é para ser comemorado. O Piauí é uma importante fronteira agrícola do país e o Governo do Estado apoia a atividade, incentivando os investimentos e atraindo novos empreendedores, buscando melhorar a infraestrutura e ainda faz interlocução com órgãos financiadores.
Para o pequeno agricultor, o Governo do Estado atua de Programas de Distribuição e Sementes, com o apoio da Emater e Secretaria da Agricultura Familiar; programas de apoio como o Compra Direta; em parceria com instituições financeiras, como BNB e Banco do Brasil; através de Políticas e Programas Financiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento da Agricultura (FIDA) e apoio a associações de produtores.
No Nordeste
Segundo balanço do IBGE, lideram a produção na região Nordeste os estados da Bahia - com 10,06 milhões de toneladas – e Maranhão, com 4,46 milhões de toneladas. Em relação à produção obtida em 2017, a Bahia registrou em 2018 um crescimento de 24,13% e o Maranhão 0,27%. No Piauí, o incremento foi de 14,78%, já que em 2017 a produção foi de 3,69 milhões de toneladas.
Avaliação do IBGE sobre os destaques da lavoura temporária para 2019
- Soja: previsão de colheita de 2,32 milhões de toneladas, cerca de 6% a menos que a safra de 2018, mesmo registrando-se um aumento da área colhida em relação ao ano anterior, de aproximadamente 7,7%. A redução da safra foi basicamente em razão de problema climático de redução do volume de chuvas, no período de dezembro/2018 a janeiro/2019, comumente conhecido como “veranico”;
- Milho: previsão de colheita de 1,84 milhão de toneladas, cerca de 21,30% a mais que a safra de 2018, apesar de ter se verificado uma pequena redução da área colhida de aproximadamente 2,3%. O aumento da colheita do milho deveu-se em grande parte ao chamado milho “safrinha”, que não foi afetado pelo “veranico” e teve sua produção aumentada em 305,28% em relação ao ano anterior, passando de 89.463 toneladas em 2018 para 362.580 toneladas em 2019;
- Feijão: previsão de colheita de 80,2 mil toneladas, cerca de 14,6 % a menos que a safra de 2018, onde a queda deveu-se em grande parte a uma redução de área plantada da ordem de 17%;
- Arroz: previsão de colheita de 78,47 mil toneladas, cerca de 28,25% a menos que a safra de 2018, em razão de queda na área plantada de arroz da ordem de 28%. Os produtores têm abandonado o plantio do arroz em razão do produto ter uma dependência muito grande da regularidade do regime de chuvas. O IBGE aponta que Piauí já chegou a produzir 271 mil toneladas em 2011, cerca de 245% a mais do que está previsto para 2019. Em termos de área colhida, o Piauí já chegou a ter 146.297 hectares em 2011, aproximadamente 216% a mais que a previsão para este ano, que é de 46.253 hectares.
- Castanha de caju: previsão de colheita de 25.068 toneladas, uma pequena redução 0,44% em relação à safra obtida em 2018, apresentando também uma redução de área colhida da ordem de 8,03%. É interessante destacar a expressiva queda na safra da castanha de caju nos últimos anos, haja vista em 2011 ter se registrado a maior produção dos últimos 10 anos, quando atingiu 45.773 toneladas, o que em relação à safra de 2019 representa uma queda de aproximadamente 55%. No tocante à área colhida, em 2011 registrou-se uma produção em 171.525 hectares, enquanto em 2019 a produção foi em 69.387 hectares, o equivalente a uma queda da ordem de 40%. De acordo com o IBGE, a produção de castanha de caju no Piauí tem caído em razão da redução sistemática da área plantada, provocada principalmente pelo envelhecimento dos pomares. 
Fonte: *180graus.com
Com informações da Ascom
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.