quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Glenn diz não conseguir parar de rir com acusação de hacker sobre venda de matéria ao Antagonista

(Foto: Reprodução)
"Tô tentando - mais ou menos - parar de rir sobre isso mas até agora não consigo", disse Glenn Greenwald, sobre acusação feita por um hacker sobre venda de acusação contra o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.
Por Brasil 247

O jornalista Glenn Greenwald se divertiu com a menção feita por um dos hackers presos pela Polícia Federal, ao site Antagonista, que teria supostamente negociado a compra de reportagem contra o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli. O site nega. Confira abaixo o tweet de Glenn e a resposta do Antagonista:
Abaixo, a resposta do Antagonista:

Em depoimento prestado na semana passada à Polícia Federal, o estudante de direito Luiz Henrique Molição, um dos presos na Operação Spoofing, tentou envolver O Antagonista e a Crusoé no rocambolesco enredo do roubo das mensagens de Telegram de autoridades.
Ao falar aos policiais, Molição disse ter ouvido de seu parceiro Walter Delgatti Neto, o Vermelho, preso na primeira etapa da investigação, que ele próprio teria vendido ou saberia de uma negociação realizada por Crusoé e O Antagonista relacionada à reportagem “O amigo do amigo de meu pai”, que revelou como executivos da Odebrecht tratavam, em comunicações internas, o atual presidente do Supremo Tribunal Federal, José Antonio Dias Toffoli.
A reportagem é a mesma que levou o ministro Alexandre de Moraes, também do Supremo, a censurar O Antagonista e a Crusoé em abril passado.
Evidente está que há uma trama mal-ajambrada dos hackers e de seus parceiros para relacionar O Antagonista e Crusoé, veículos que vêm investigando e publicando informações sobre o roubo das mensagens, na escandalosa trama.
Não custa lembrar, o documento que embasou a reportagem estava disponível em um dos processos eletrônicos da Lava Jato em curso na Justiça Federal em Curitiba. O Antagonista e Crusoé e jamais negociaram com quem quer que seja a sua obtenção.
Foi justamente depois de constatar que o documento estava anexado aos autos que o ministro Alexandre de Moraes suspendeu a famigerada ordem de censura expedida na sequência da publicação da reportagem.
O novo golpe dos hackers e de seus comparsas fica ainda mais clara pelo estratagema que o acompanha.
A declaração de Molição, feita sem qualquer embasamento, foi vazada nas últimas horas para jornalistas de Brasília, que procuraram O Antagonista e Crusoé em busca de manifestação acerca do caso.
Em resposta, a redação elaborou a seguinte nota:
“O site O Antagonista e a revista Crusoé nunca compraram informação nenhuma de ninguém. Trata-se de uma mentira deslavada de estelionatários a serviço provavelmente de interesses poderosos que visam a minar a nossa credibilidade. Os hackers que inventaram a mentira deslavada foram, inclusive, capas da Crusoé — um deles nesta semana. Quero lembrar ainda que repórteres nossos foram hackeados por esses marginais. Por último, no caso da matéria ‘O Amigo do Amigo do Meu Pai’, que causou a censura da revista, o documento utilizado estava entranhado no processo, como é público e notório. Esses hackers precisam ser punidos exemplarmente. Continuaremos a fazer a nossa parte nesse sentido.”
Autoridades ligadas à investigação ouvidas por nossos repórteres disseram, reservadamente, que a menção a Crusoé e O Antagonista foi feita pelo parceiro do hacker para “criar fato”. Também afirmaram não haver nos autos qualquer lastro probatório a sustentar a declaração, que teria claro objetivo de lançar suspeitas infundadas contra a revista e o site.
Fonte: Brasil 
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.