quinta-feira, 14 de novembro de 2019

“A Irmandade”, documentário piauiense, estreia nesta quinta-feira no cinema

O longa-metragem “A Irmandade”,conta a história de três jovens que usam a música para superar os problemas da violência nas comunidades carentes onde vivem.
Do Portal O Dia
A Irmandade”, documentário piauiense, estreia nesta quinta-feira no cinema. Divulgação
O longa-metragem “A Irmandade”, documentário piauiense produzido e dirigido por Juscelino Ribeiro e Alexandre Mello, da Framme Produções, que conta a história de três jovens que usam a música para superar os problemas da violência nas comunidades carentes onde vivem, bem como os conflitos violentos e até mesmo morais vividos pela população das periferias de Teresina em meio a disputas de grupos rivais na região.
“A Irmandade” tem duração de 75 minutos e estará em cartaz no período de 14 a 20 de novembro, como exibição na sessão de 14h, nos Cinemas Teresina, no Teresina Shopping. O filme não é recomendado para menores de 12 anos, classificação indicativa do Ministério da Justiça publicada no Diário Oficial. O filme tem produção feita pela Framme, com coprodução da Globo Filmes e da Globo News e distribuído para cinema pela Lume Filmes.
O documentário mostra o triste relato da violência entre gangues, na visão dos jovens, de pais e parentes de jovens que sofreram com toda essa situação e na visão da Polícia. E as ações que cada um tomou diante dos conflitos territoriais para mudar essa realidade.
No longa são mostrados todos os lados dessa história: o de quem pratica os crimes, o de quem tenta combatê-lo, o de quem sofre com ele e que ações toma diante das tragédias. É o caso de Robson Guerra, pai de Felipe Guerra, de 10 anos que foi assassinado na porta de casa. Robson, não tomou o caminho do ódio. Em um movimento de paz, chamou outros pais que perderam seus filhos no conflito a perdoarem seus assassinos e caminharam de mãos dadas em uma grande caminhada pela paz na Avenida Ulisses Guimarães. Depois dessa caminhada, pela primeira vez em cinco anos o Promorar não teve uma morte violenta durante 60 dias diretos.
“Apesar de mostrar uma situação de abuso e truculência policial, o filme mostra não só a versão dos jovens, mas também a da Polícia e seus esforços para mudar isso. Iniciativas de policiais militares, como o Pelotão Mirim, que atua junto a crianças e adolescentes da região dando noções de disciplina e civilidade, reconhecidas pela comunidade, também tem destaque no filme. Ao fim, apesar da violência, o filme traz luz e esperança para quem o assiste”, afirma Alexandre Mello, roteirista e produtor executivo do longa-metragem.
O roteiro do filme, de Juscelino Ribeiro e Alexandre Mello, foi executado por uma equipe de profissionais majoritariamente piauienses durante quatro anos, em várias fases. A primeira delas foi o premiado curta-metragem “Deixa a Chuva Cair”, onde Juscelino, junto com a Framme, ganharam o edital “Jovem Doc Brasil”, em primeiro lugar no Nordeste.
O filme, assim como o curta, é dirigido por Juscelino Ribeiro, jornalista por formação, há três anos atua como diretor, Produtor Executivo e roteirista. Juscelino foi selecionado como melhor roteirista jovem e junto com a Framme, premiado com parte dos Recursos para executar Deixa a Chuva Cair, com 20 minutos de duração. Alexandre Mello é diretor, roteirista e produtor, na Framme Produções. 
Fonte: portalodia.com
Grifos do Editor
Informações: Ascom
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.