sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Desemprego em queda: 702 mil pessoas a menos sem trabalho

Por *Jordana Cury
Foto/Valmir Macêdo/Cidadeverde.com
A taxa de desocupação (11,2%) no trimestre móvel encerrado em novembro de 2019 caiu nas duas comparações: - 0,7 ponto percentual (p.p.) em relação ao trimestre junho /agosto de 2019 (11,8%) e -0,4 p.p. em relação ao mesmo trimestre de 2018 (11,6%). 
A taxa de desocupação (11,2%) no trimestre móvel encerrado em novembro de 2019 caiu nas duas comparações: - 0,7 ponto percentual (p.p.) em relação ao trimestre junho /agosto de 2019 (11,8%) e -0,4 p.p. em relação ao mesmo trimestre de 2018 (11,6%). A população desocupada (11,9 milhões de pessoas) teve redução em ambas as comparações: -5,6% (ou 702 mil pessoas a menos) em relação ao trimestre móvel anterior e -2,5% (300 mil pessoas a menos) em relação ao mesmo trimestre de 2018.
A população ocupada (94,4 milhões), novo recorde da série histórica, cresceu em ambas as comparações: 0,8% (mais 785 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior e 1,6% (mais 1,5 milhão de pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2018. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (27), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
A população fora da força de trabalho (65,1 milhões de pessoas) permaneceu estável em ambas as comparações. A taxa composta de subutilização da força de trabalho (23,3%) variou -1,0 p.p. em relação ao trimestre móvel anterior (24,3%) e -0,5 p.p. em relação ao mesmo trimestre móvel de 2018 (23,8%). A população subutilizada (26,6 milhões de pessoas) caiu -4,2% (menos 1,179 milhão de pessoas), frente ao trimestre móvel anterior e -1,1% (menos 304 mil pessoas) frente ao mesmo trimestre de 2018. A população desalentada (4,7 milhões) ficou estatisticamente estável em ambas as comparações, assim como o percentual de desalentados em relação à população na força de trabalho ou desalentada (4,2%).
Emprego formal
O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (exclusive trabalhadores domésticos) chegou a 33,4 milhões e cresceu em ambas as comparações: 1,1% (mais 378 mil pessoas) em relação ao trimestre móvel anterior e 1,6% (mais 516 mil pessoas) contra o mesmo trimestre de 2018. A categoria dos empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado (11,8 milhões de pessoas) ficou estatisticamente estável em ambas as comparações.
O número de trabalhadores por conta própria, novo recorde na série histórica, chegou a 24,6 milhões de pessoas e cresceu nas duas comparações: 1,2% (mais 303 mil pessoas) frente ao trimestre móvel anterior e 3,6% (mais 861 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2018.O rendimento médio real habitual (R$ 2.332) no trimestre móvel terminado em novembro de 2019 não teve variação significativa em nenhuma das comparações. 
A massa de rendimento real habitual (R$ 215,1 bilhões) cresceu nas duas comparações: 2,1% frente ao trimestre anterior e 3,0% frente ao mesmo trimestre de 2018.
*Economia&Negócios
Fonte: cidadeverde.com
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.