quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

População ocupada no Piauí reduz entre 2012 e 2018

No Piauí, em 2018, cerca de 24,3% dos empregados trabalhavam em fazendas, sítios, granjas, chácaras, etc.
Por Isabela Lopes
Foto: Arquivo O Dia
Houve redução de 7,54% na quantidade de pessoas ocupadas no Piauí entre os anos de 2012 e 2018. A quantidade de pessoas ocupadas no Estado caiu de 1,33 milhão em 2012, para 1,23 milhão em 2018. O resultado vai à contramão dos dados obtidos no Brasil, que registrou crescimento de 3,47% da população ocupada neste mesmo período. Leia mais:
Os setores que mais registraram queda na ocupação no período de 2012 a 2018 foram a agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (-23,68%), da indústria geral (-34,62%), da construção (-20,15%), do comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-1,46%) e dos serviços domésticos (-29,54%).
Nesse mesmo intervalo de tempo, houve aumento de pessoal ocupado, no Piauí, nos setores de transporte armazenagem e correio (23,47%), de alojamento e alimentação (11,39%), de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (35,25%), de administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (12,82%) e de outros
serviços (16,77%).
Leia mais:
No Piauí, em 2018, cerca de 24,3% dos empregados trabalhavam em fazendas, sítios, granjas, chácaras, etc. Esse percentual é o segundo maior do Brasil, atrás apenas de Rondônia (27,5%). O valor supera a média do Brasil (10,7%). Apesar do índice alto, houve queda de 23,77% no quantitativo de pessoas que tinham como local de trabalho estabelecimentos rurais, entre 2012 e 2018, no Piauí.
Também foi registrada diminuição de 21,21% das pessoas que trabalham em via ou área pública no Piauí, em local designado pelo patrão, empregador ou freguês (-7,55%) e em estabelecimento do próprio empreendimento (-5,21%). Ao mesmo tempo, cresceu em 136,67% o quantitativo de pessoas trabalhando em domicílio do empregador, patrão, sócio ou freguês. Outros crescimentos significativos foram em estabelecimentos de outro empreendimento (69,75%) e em veículo automotor (18,52%). 
Fonte: portalodia.com
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.