terça-feira, 14 de janeiro de 2020

“Democracia em vertigem” desperta os instintos mais primitivos em Bolsonaro e ministros

Jornalista Alex Solnik comenta a reação da direita sobre a indicação do documentário brasileiro ao Oscar e observa que "quem elogiar o filme está no olho da rua ou será considerado traidor" e ainda que "os que chegaram ao poder em razão do golpe vestiram a carapuça e não se tocaram".
Bolsonaro criticando o filme brasileiro indicado ao Oscar. (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil | Divulgação)
Por *Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia - No dia 3 de junho de 2012, o deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ), expoente da direita no Congresso Nacional referiu-se ao colega José Dirceu (PT-SP) nos seguintes termos enquanto este era questionado na CPI: “V.Excia desperta em mim os instintos mais primitivos”.
Coincidência ou não, o documentário “Democracia em vertigem” também está despertando os instintos mais primitivos do presidente Jair Bolsonaro e de seus ministros, que são da mesma cepa do delator do “Mensalão”.
Jair Bolsonaro:
“Esse filme é para quem gosta do que urubu come”.
General Augusto Heleno, chefe do GSI:
"Que orgulho ver um filme nacional indicado para o Oscar em três categorias: terror, comédia e ficção. A estrela da farsa levou o Brasil, em cinco anos, ao fundo do poço. Deu uma aula de gestão desastrosa,
incompetência e insolvência financeira. Forte candidato à estatueta”!
Ministro da Educação Abraham Weintraub:
“Sobre o documentário do ‘golpe’ que foi indicado ao oscar. O correto é gópi”!
(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)
Secretário da Cultura Roberto Alvim:
“Se fosse na categoria ficção estaria correta a indicação. Isso só mostra como a guerra cultural está sendo travada não só aqui, mas em âmbito internacional”. Presidente da Ancine André Sturm preferiu mudar de assunto e falar do sul-coreano “Parasita”:
“O melhor filme do ano! Recorde de indicações ao Oscar de um filme em língua não inglesa. Não viu ainda”?
Deputado Eduardo Bolsonaro, o 03:
“Se fosse um documentário mostrando a maior manifestação de rua da história do Brasil (contra o PT do lulopetismo) jamais seriam (sic) indicados”.
(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)
Três observações: 1) quem elogiar o filme está no olho da rua ou será considerado traidor, o que significa a mesma coisa; 2) os que chegaram ao poder em razão do golpe vestiram a carapuça e não se tocaram; 3) são inimigos do Brasil e da democracia e 4) estão tentando plantar a versão de que o filme foi indicado não por seus méritos cinematográficos, mas por haver um conluio entre a Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood e o PT.
E podem crer: vai ter gente acreditando que Gleisi Hoffmann fez um pacto com o diabo.
Só não disseram ainda o que a Academia recebeu em troca.
Vamos esperar os próximos posts.
(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)
*Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão" e "O domador de sonhos" 
Fonte: Brasil 247
Grifos do Editor
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.