sábado, 25 de janeiro de 2020

*Hooligans.*

Por  *Gustavo Rosal

Lembro-me do triste episódio da queda da raposa de minas à segundona do Campeonato Brasileiro de 2020. Não faz tanto tempo, de hoje. Triste, afora o aspecto futebolístico, porque evidencia o quão brutos facilmente podemos ser. Depredações, vandalismo, violência escancarada. Os hooligans são os extremos. Naturalmente, desnecessários. Sabe-se lá que instinto enérgico e preocupante acolhe o coração dos homens. E muitíssimos, como ferrões cegos e loucos de paixão, disparatados pelo mundo. Grotescamente distintos, no entanto. Uns em azul, uns alviverdes, rubro-negros, tantas cores e um estado comum na República da Justificação. As penas são quase perdoadas, afinal, hooligans "lutam pelo que amam", como se luta por uma doutrina, religião, déspotas, quimeras institucionais ou oligarquias de camarote. Tudo isso me é estrangeiro, sem forma; estampidos roucos na imensidão do firmamento, nada significando, senão transtorno e alguma néscia sensação. Eu, cordialmente, repudio a cara e a coroa - me importa a moeda. O firmamento é mais alto que o chão das enchentes, secas ou campos, e mais rico que os vazios cósmicos, onde sobrevive o horror imaginado. A paixão está entre.
*Gustavo Rosal é escritor, especialmente poeta, cronista e contista. Participou das coletâneas "Versania" e "Contos entre Gerações", ambas de repercussão na cidade de Parnaíba, para além de outras publicações em jornais culturais, revistas, sites, blogs, redes sociais e afins, a exemplo do jornal "O Piagüí", o blog da Academia Parnaibana de Letras, o espaço "Escrever sem Fronteiras", de iniciativa do Sesc, "Trema", "Gueto", "Vacatussa". É bacharelando em Direito pela UESPI. Nascido em Teresina, no ano de 1996.
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.