domingo, 22 de março de 2020

Rodrigo Maia decide não abrir impeachment de Bolsonaro alegando que "dá azar"

Presidente da Câmara decide prevaricar porque Ibsen Pinheiro, que abriu processo contra Collor perdeu o mandato, e porque Eduardo Cunha, que liderou o golpe contra Dilma foi preso.
Por Brasília 247
Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil | Carolina Antunes/PR)
O jornalista Lauro Jardim, do Globo, informa em sua coluna deste domingo que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não irá abrir nenhum processo de impeachment contra Jair Bolsonaro por um motivo inusitado. 
Maia seria supersticioso e estaria dizendo que o impeachment "dá azar" a quem aceita os pedidos. Ele lembra que o já falecido Ibsen Pinheiro, que aceitou o processo contra Fernando Collor, perdeu o mandato. Mais recentemente, Eduardo Cunha, que liderou o golpe de estado contra Dilma Rousseff, foi preso.
Isso significa que Maia, por superstição, decidiu prevaricar, uma vez que Jair Bolsonaro já cometeu pelo menos 15 crimes de responsabilidade, segundo levantamento feito neste domingo pela Folha de S.Paulo.
*Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247.
Fonte: Brasil 247
Grifos do Editor
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.