quinta-feira, 19 de março de 2020

Tirem os microfones dos gramados

Por *Gustavo Rosal

O jornal Lance!, no dia 17 de março, veiculou uma triste estampa relacionando os senhores que seguem: Argel Fucks, Alberto Valentim, Guto Ferreira, Cristóvão Borges, o esperado Rafael Dudamel, Adilson Batista, Abel Braga, Maurício Barbieri, Felipe Conceição, Augusto Inácio, Daniel Paulista, Hemerson Maria, Wagner Lopes, Gilson Kleina, Marquinhos Santos. O exaustiva listagem representa técnicos de futebol de tradicionais clubes que disputarão o Campeonato Brasileiro de 2020. Retifico o tempo: eram os técnicos. Até o presente, 37,5% do total de clubes das duas divisões modificou o seu responsável tático. Estamos em meados do mês 3 do calendário nacional; significa dizer que as datas em duelo são pouco exigentes se comparadas às de meio de ano e as de final de ano, com o desenvolvimento da Copa do Brasil e das séries A e B, o que indica nuvens carregadas, como temos visto nos últimos anos. São 15 profissionais demitidos e a crônica incompetência dos planejamentos. Cartolas esburacadas. O caso de Abel, dentre os tais, chama atenção. Vem de trabalhos insatisfatórios em termos de resultado, desempenho e extracampo, seu nome é
vinculado, de forma justa ou injusta, à queda do Cruzeiro na temporada 2019 e à crise vascaína nos gramados de 2020. O "Abelão", como é carinhosamente chamado, sofreu um peculiar desligamento após 3 meses de trabalhos coniventemente não remunerados no gigante da colina, e deixa, desta vez, parca herança a seu sucessor. Nomes como o de Argel Fucks, Milton Mendes e, com vitoriosa passagem no futebol coreano, o português José Morais foram ofertados ao clube, no entanto parecem pouco entusiasmar o torcedor. O que se ofusca cada vez menos dentre as tratativas são os atrasados dos baixos funcionários e os do elenco (sem conivência) - e que tirem os microfones dos gramados!
18.03.20

Abel Braga

*Obs: a imagem que eventualmente acompanhar esse texto é mera reprodução, sem pretensões autorais e sem fins econômicos.

*Gustavo Rosal é escritor, especialmente poeta, cronista e contista. Participou das coletâneas "Versania" e "Contos entre Gerações", ambas de repercussão na cidade de Parnaíba, para além de outras publicações em jornais culturais, revistas, sites, blogs, redes sociais e afins, a exemplo do jornal "O Piagüí", o blog da Academia Parnaibana de Letras, o espaço "Escrever sem Fronteiras", de iniciativa do Sesc, "Trema", "Gueto", "Vacatussa". É bacharelando em Direito pela UESPI. Nascido em Teresina, no ano de 1996.
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.