sábado, 11 de abril de 2020

Conheça o significado de cada dia da Semana Santa

A primeira celebração da Semana Santa é datada de 1682
Por Isabela Lopes - Jornal O Dia
(Foto: Freepik)
A primeira celebração da Semana Santa é datada de 1682. O Concílio de Niceia determinou que o catolicismo seria a religião oficial do Império Romano, sendo composta por oito dias sagrados. A Semana Santa inicia com a entrada do Messias em Jerusalém e termina com o milagre da Ressurreição. No intervalo entre esses dois acontecimentos, episódios importantes são relembrados pela fé católica. Mas, você sabe o que cada um dia desses representa?
Domingo de Ramos
Tudo começa com o Domingo de Ramos, abrindo as solenidades da Semana Santa com a entrada de Jesus em Jerusalém, no qual Ele é recebido com um rei com ramos de palmeiras. Esse domingo é chamado assim porque o povo cortou ramos de árvores e folhas de palmeiras para cobrir o chão onde Jesus passava montado em um jumento. Durante sua passagem, as pessoas o aclamavam segurando as folhas em suas mãos. Isso despertou nos sacerdotes e mestres da lei inveja, desconfiança e medo de perder o poder, começando, assim, uma trama para condenar Jesus à morte.
Segunda-feira Santa
Neste dia, Jesus inicia sua caminhada ao calvário. Nosso Senhor dos Passos é uma invocação de Jesus Cristo e uma devoção especial na Igreja Católica. Essa procissão faz memória ao trajeto percorrido por Jesus Cristo desde sua condenação à morte no pretório até o seu sepultamento, após ter sido crucificado no Calvário.
Terça-feira Santa
No terceiro dia da Semana Santa, Jesus anuncia a sua morte, o que causa grande sofrimento aos seus discípulos. Ele anuncia também a traição e indica que há um traidor no grupo, que no caso seria Judas.
Quarta-feira Santa
Em muitas paróquias, especialmente no interior do país, realiza-se a famosa “Procissão do Encontro” neste dia. Os homens saem, de uma igreja ou local determinado, com a imagem de Nosso Senhor dos Passos; as mulheres saem de outro ponto com Nossa Senhora das Dores. Acontece, então, o doloroso encontro entre a Mãe e o Filho. O padre proclama o célebre “Sermão das Sete Palavras”, fazendo uma reflexão, que chama os fiéis à conversão e à penitência.
Quinta-feira Santa
Neste dia, Jesus se reúne com os apóstolos na última ceia. Ele lavou os pés dos 12 homens e os encorajou a amar o próximo. Na ceia, o Messias ofereceu pão e vinho aos apóstolos, simbolizando seu corpo e sangue. Foi nesse dia que se instituiu a Eucaristia. A Igreja Católica considera o quinto dia da Semana Santa muito importante, por isso promove alguns rituais sagrados, como é o caso da bênção dos óleos santos, a celebração da crisma e o lava-pés, sendo nesta cerimônia o momento que o padre ou bispo lava os pés de pessoas da comunidade, como forma de relembrar a gesto de Jesus.
Sexta-feira da Paixão
A tarde da Sexta-feira Santa apresenta o drama da morte de Cristo no calvário. A cruz, erguida sobre o mundo, segue de pé como sinal de salvação e esperança. Com a Paixão de Jesus, segundo o Evangelho de João, contemplamos o mistério do Crucificado, com o coração do discípulo Amado, da Mãe, do soldado que o transpassou o lado. Há um ato simbólico muito expressivo e próprio deste dia: a veneração da santa cruz, momento em que esta é apresentada solenemente à comunidade.
Via-sacra Ao longo da Quaresma, muitos fiéis realizam a Via-Sacra como uma forma de meditar o caminho doloroso que Jesus percorreu até a crucifixão e morte na cruz. A Igreja nos propõe esta meditação para nos ajudar a rezar e a mergulhar na doação e na misericórdia de Jesus que se doou por nós. Em muitas paróquias e comunidades, é realizada a encenação da Paixão, da Morte e da Ressurreição de Jesus Cristo por meio da meditação das 14 estações da Via-Crucis.
Sábado de Aleluia
O Sábado Santo não é um dia vazio, em que “nada acontece”, nem uma duplicação da Sexta-feira Santa. A grande lição é esta: Cristo está no sepulcro, desceu à mansão dos mortos, ao mais profundo que pode ir uma pessoa. O próprio Jesus está calado. 
Vigília Pascal Durante o Sábado Santo, a Igreja permanece junto ao sepulcro do Senhor, meditando Sua Paixão e Morte, Sua descida à mansão dos mortos, esperando, na oração e no jejum, Sua Ressurreição. Todos os elementos especiais da vigília querem ressaltar o conteúdo fundamental da noite: a Páscoa do Senhor, Sua passagem da morte para a vida. A celebração acontece no sábado à noite. É uma vigília em honra ao Senhor, de maneira que os fiéis, seguindo a exortação do Evangelho (cf. Lc 12,35-36), tenham acesas as lâmpadas, como os que aguardam seu senhor chegar, para que os encontre em vigília e os convide a sentar à sua mesa.
Domingo da Ressurreição
É o dia santo mais importante da religião cristã. Depois de morrer crucificado, o corpo de Jesus foi sepultado, ali permaneceu até a ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. Do hebreu “Peseach”, Páscoa significa a passagem da escravidão para a liberdade. A presença de Jesus ressuscitado não é uma alucinação dos Apóstolos. Quando dizemos “Cristo vive” não estamos usando um modo de falar, como pensam alguns, para dizer que vive somente em nossa lembrança. 
Fonte: portalodia.com
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.