sexta-feira, 22 de maio de 2020

Empresário que acusa Bolsonaro convenceu o MPF

Foto: Ricardo Borges/UOL
O empresário Paulo Marinho (PSDB), suplente de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no Senado, afirmou ter entregue provas ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ) sobre possível vazamento da Operação Furna da Onça da Polícia Federal (PF) a Flávio, em 2018. Ontem, ele prestou depoimento ao MPF-RJ sobre o assunto, o segundo sobre o mesmo tema esta semana. Na quarta-feira, Marinho foi ouvido pela PF, no Rio. O MPF-RJ informou ter elementos para continuar investigação.
Após prestar depoimento ontem, Marinho disse à imprensa que a investigação sobre o tema no MPF-RJ seria “mais ampla” do que na PF. Ele informou ter reproduzido o depoimento prestado à PF “com maior riqueza de detalhes”.
“Trouxe provas, deixei nas mãos do procurador. E ele me recomendou que eu não declarasse ou divulgasse o teor. O que posso dizer é que confirmei integralmente o teor da entrevista que dei à ‘Folha’ [jornal “Folha de S.Paulo”]” afirmou a jornalistas que o aguardavam na porta do MPF-RJ. Marinho é pré-candidato à prefeitura do Rio.
Em entrevista no domingo, Marinho disse que a PF contou para o senador Flávio Bolsonaro o momento em que a operação ia ser deflagrada em 2018. Além
disso, Marinho afirmou que os policiais teriam “segurado a operação” para não
fosse feita antes do 2º turno das eleições de 2018, e assim atrapalhasse a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.
A Operação Furna da Onça investiga suposto esquema de propina envolvendo parlamentares na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, e citava Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro.
Marinho aproveitou a presença da imprensa para informar que soube, por membros de sua família, que estaria sendo ameaçado nas redes sociais. Ele também afirmou ter ficado “perplexo” com notícia “em site prestigioso” de que estaria sendo feita devassa em suas contas “por gente de Brasília”. Marinho não informou a fonte da informação. “Eu solicitei ao procurador que tomasse as providências e apurasse”, disse.
Presente nos depoimentos de Marinho na PF e no MPF-RJ, o procurador da República Eduardo Benones minimizou a informação do empresário sobre possível devassa em contas, afirmando que informação se baseia apenas “em notícia midiática”. Mas Benones admitiu que, após assistir os dois depoimentos de Marinho, há razões para que MPF-RJ continue as investigações sobre eventual vazamento de informações da operação da PF.
Benones disse a jornalistas que o empresário de fato “juntou papéis” que podem configurar provas. Perguntado sobre a natureza das provas, Benones não deu maiores informações. “Existe uma suspeita de vazamento em uma operação e é certo que as investigações sobre esse vazamentos têm de continuar”, disse o procurador.
Ele detalhou que esse tipo de investigação não costuma demorar e disse que há um prazo inicial de 90 dias para a conclusão, mas que pode ser estendido.
Em nota distribuída pela sua defesa, Flávio Bolsonaro rebateu as afirmações de Marinho e afirmou que nunca teve acesso a informações privilegiadas e que desconhece vazamentos na PF. “Quem faz esse tipo de acusação contra a instituição não sabe do que está falando ou quer manchar a reputação da polícia. Os delegados e policiais federais merecem respeito, algo que Paulo Marinho parece desconhecer. Reafirmo que Paulo Marinho faz acusações falsas e com objetivos políticos. Por ser meu suplente, quer me derrubar para ocupar uma vaga no Senado sem ter passado pelo crivo das urnas.”
Fonte: Blog da Cidadania
Informações do Valor Econômico
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.