quinta-feira, 14 de maio de 2020

Foram dois socos bem dados

Por Paula Bianchi - Editora

Olá,
Aqui no Intercept usamos duas palavrinhas incomuns para definir nosso trabalho. O jornalismo do TIB é essencialmente de impacto e adversário. 
O impacto que buscamos é responsabilizar poderosos, megacorporações, governos e figuras públicas por suas ações que causam danos à população, aprofundam desigualdades e provocam injustiças. Este é um jornalismo adversário: não vive de negociatas, não respeita o "você sabe com quem está falando", não é patrocinado por bancos ou farmacêuticas, não teme ameaças de justiceiros e não enche os textos de eufemismos porque é mais "seguro". Às vezes a verdade tem lado, sabia? 
É isso que perseguimos no nosso trabalho o tempo todo, e ficamos muito felizes quando o impacto acontece de maneira concreta, quando conseguimos expor os adversários do interesse público e da democracia. Foi exatamente o que aconteceu nas últimas semanas e estou escrevendo para te contar. Mais do que isso, para prestar contas, já que o jornalismo do TIB é financiado por seus leitores. São vocês os nossos verdadeiros patrões. 
No início de abril contamos a história de um pet shop em Pelotas que foi contratado pelo governo de Eduardo Leite (PSDB) para fazer exames de coronavírus. O contrato foi feito sem licitação por ser “um laboratório de excelência”. O que o público não sabia e nós revelamos é que a empresa só incluiu o serviço “laboratórios clínicos” entre a descrição de suas atividades na Receita Federal em 6 de abril – três dias depois da assinatura do contrato de R$ 8 milhões. 
Publicamos essa denúncia e, dias depois, o Ministério Público entrou na história pedindo a suspensão do contrato. O MP também decidiu investigar como um pet shop teria os reagentes necessários para tais exames, já que nem laboratórios renomados estão conseguindo acesso a esses materiais. A justiça deu 48 horas para Leite se explicar e o governo gaúcho, sem ter para onde correr, colocou o contrato para escanteio.
Nessas ocasiões comemoramos no TIB: impacto!
No final de abril, aconteceu de novo! O governo de Santa Catarina acertou por R$ 33 milhões a compra relâmpago de 200 respiradores com a Veigamed, empresa que nunca tinha fornecido esse aparelho. Para concretizar a licitação forjada, o governo de Carlos Moisés (PSL) recebeu propostas de empresas com o mesmo endereço. No dia seguinte à publicação, um juiz bloqueou o dinheiro nas contas da empresa e a Assembleia Legislativa criou uma CPI, para apurar as irregularidades apontadas por nossa reportagem. O Secretário de Saúde Helton Zeferino foi exonerado e no último sábado o Gaeco e a Polícia Civil cumpriram 35 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens em Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo e Mato Grosso. Ontem o Secretário da Casa Civil do estado se demitiu. Olha o tamanho desse impacto! Continuaremos acompanhando essa história, já que a CPI começou na terça, e vamos te contar o desenrolar dela! 
Os anos de trabalho no TIB me mostraram que jornalistas podem vencer políticos e empresários, mas têm que estar dispostos a entrar na briga. Se você não acredita só na força do dinheiro, mas também na capacidade do jornalismo que luta e não se vende, o Intercept é o seu lugar. 
Se o que você deseja é irritar, responsabilizar e derrubar mais corruptos, governantes mentirosos e, sobretudo, a extrema direita, você deve nos apoiar hoje com qualquer valor. Absolutamente nada disso é possível sem o apoio dos nossos leitores.

Edição: Mário Pires Santana 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.