quinta-feira, 7 de maio de 2020

Guerra de versões sobre vídeo de reunião do Planalto mostra que Bolsonaro quer esconder algo

Celso de Mello, Jair Bolsonaro e Sérgio Moro (Foto: STF | PR)
Está instalada uma verdadeira guerra de versões dentro do Palácio do Planalto sobre o vídeo que o ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou que o governo entregue no âmbito das investigações sobre a acusação do ex-ministro Sergio Moro de que Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal. Jair Bolsonaro não quer entregar a gravação completa.
Por Brasil 247

O vídeo, segundo depoimento de Moro à PF, revela o que foi discutido durante a reunião ministerial de 22 de abril. As divergências sobre aliados de Bolsonaro sobre onde o cartão de memórias da gravação está guardado e sobre o que contém o vídeo mostra que Bolsonaro tem algo a esconder.
As divergências entre aliados de Bolsonaro sobre o vídeo que o ministro Celso de Mello determinou o Planalto entregar estão levando o governo a dizer que vão disponibilizar uma versão o curta da reunião ao Supremo.
Em seu depoimento à PF, Sergio Moro afirmou que na reunião ministerial Bolsonaro pediu a substituição do diretor-geral da PF, do superintendente da corporação no Rio, solicitou acesso a relatório de inteligência e ameaçou demiti-lo caso ele não cedesse, informa a jornalista Julia Chaib na Folha de S.Paulo.
A reportagem relata que o chefe da assessoria especial da Presidência da República, Célio Faria Júnior, nega que esteja com o vídeo e afirmou que não compete à sua área o registro de imagens de reuniões, tampouco o arquivo de eventuais registros.
Ele foi citado como o auxiliar de Bolsonaro que teria ficado com o cartão de memória da gravação e o formatado. 
O registro da reunião teria sido feito pela EBC (Empresa Brasil de Comunicação), que, segundo integrantes do Planalto, grava imagens para serem utilizadas institucionalmente.
No caso específico da reunião do dia 22, pessoas ligadas a Bolsonaro dizem que o encontro não foi gravado do início ao fim.
Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.
Fonte: Brasil 247
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.