quarta-feira, 10 de junho de 2020

POEMAS POR UM TRIZ

Autora lida com o tema da transitoriedade em seu segundo livro | Rachel Ventura Rabello | Editora Penalux 
Por *Carlos Saldanha Mancur

Todos já ouviram a palavra “triz”. Geralmente associada à expressão “por um triz”, que, em linhas gerais, significa ficar sob a eminência de algo. “Foi por um triz”, dizemos quando querendo expressar que foi “quase”, foi “por pouco”, “faltou um tantinho assim, ó”. Mas “triz” também significa “átimo”. Significa “quase nada”. 
Espanta, portanto, que uma palavra de aparentemente tão limitadas acepções possa ser tema de um livro, como é o caso da segunda publicação da autora Rachel Ventura Rabello, em lançamento pela Editora Penalux. Livro que se propõe a explorar poeticamente o amplo campo semântico da palavra que lhe dá título: Triz. 
Indo mais fundo na acepção, a obra tem como proposta promover a reflexão sobre o medo de viver plenamente (um momento, um sentimento, uma experiência) e também sobre o medo de nos entregarmos a alguém. Afinal, estamos “sempre a um passo da total entrega”, como diria o poeta Paulo César Pinheiro.
Diversos poemas no livro contemplam essa definição da palavra triz. Outros são mais despretensiosos, dando enfoque à definição menos usual da palavra (“pequena diferença, quase nada”), e chamam a atenção para o fato de a vida ser também repleta desses vazios, desses momentos ínfimos, íntimos e, quase sempre, banais. 
Mas, como a acepção mais conhecida da palavra é dentro da expressão “por um triz”, há diversos poemas do livro que dialogam com essa acepção.
 “Os gregos acreditavam que existia uma linha invisível que separava deuses e mortais”, explica a autora. “E que os artistas eram os únicos mortais capazes de cruzá-la e voltar dela sem enlouquecer. Deste modo, o livro flerta com o perigo, com a famosa frase de Riobaldo, em Grande sertão: veredas: ‘viver é muito perigoso’”, reflete. “Estamos sempre por um triz, por uma linha...”
Para Masé Lemos, poeta e Doutora em Letras, Rachel explora “novas possibilidades da lírica contemporânea”. Ela vai “além da melodia clássica, da tradição romântica ou da impessoalidade moderna”. Em sua nova obra, um “livro delicado, mas perigoso, predomina a poética do instante e do quase nada. A simplicidade vocabular escolhida pela poeta cria um mundo muito próximo e concreto, mas sua dicção lírica singular provoca enervamentos rítmicos pelo uso preciso e sutil da rima e dos cortes e cesuras presentes em seus versos. O livro constrói uma lírica no feminino, mote principal deste livro inteligente”.
A autora enxerga seu trabalho poético como uma exploração subjetiva e metafísica. Explica: “Embora a questão do feminino esteja muito presente, a abordagem que traço é menos política que visceral, explorando questões anímicas a partir do corpo e da escrita”. 
O livro, que se encontra em pré-venda, já pode ser encomendado por meio da livraria on-line da editora. 
aquela 

eu sou aquela que partiu 

virou sombra 

aquela cuja lembrança se esvaiu 

seu rosto é um borrão com dentes 

um vago som de risadas 

corpo feito de água 

fluindo, fluindo... 

eu sou aquela que sumiu 

cujo nome ecoa nos vales 

em segredo: 

eu sou aquela que tem medo. 

SERVIÇOS 
Triz, Rachel Ventura Rabello – poesia (76 p.), R$ 38 (Penalux, 2020). 
Link para compra: 
*Redator e Jornalista
Fonte: Portal Divulgação Cultural
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.