quarta-feira, 3 de junho de 2020

Ter empatia é essencial em tempos de pandemia

Ajuda profissional também pode ajudar a pessoa a compreender o que está acontecendo no momento
Por: Isabela Lopes, do Jornal O Dia
Preocupação e distanciamento não podem prejudicar convívio - Foto: Jailson Soares/O Dia
Assim que o coronavírus começou a se espalhar pelo mundo, diversas medidas de segurança foram adotar para evitar que a doença se disseminasse ainda mais. As pessoas passaram a adotar ações de proteção, tanto para si quanto para o próximo, assim como os cuidados com a higienização de alimentos, mãos e objetos, que se intensificou.
Entretanto, enquanto a grande maioria das pessoas tenta seguir essas recomendações, outras têm ignorado a segurança e saúde, especialmente dos demais. Agora, com a proposta de retomada das atividades comerciais, essas medidas de proteção precisam ser redobradas. Para isso, é necessário empatia com o próximo.
“A empatia é algo que falamos constantemente no nosso dia, mas nem todo mundo sabe praticar. Às vezes, o outro é importante até certo ponto;. Pelos impasses de se abrir ou não as lojas, do que precisa ser feito e do mercado de trabalho, vemos as pessoas preocupadas e distantes, então precisamos praticar a empatia e a compreensão. Precisamos ser compreensível com as outras pessoas, como o nosso trabalho. Quem está desempregado, ser compreensível consigo mesmo, que isso é uma fase e vai passar”, pontua a psicóloga Maria Clara de Brito.
A especialista pontua que é preciso compreender o que está acontecendo, se informar e tentar ajudar ao próximo, em especial aqueles que têm pouco conhecimento ou acesso à informação. Maria Clara de Brito explica que, se você tiver uma máscara sobrando, doe para outra pessoa que não tenha. Se presenciar alguém abraçando, explique dos riscos, mas evitando sempre criar um confronto.
“É preciso evitar Fake news, desligar um pouco de celular, pois muitas vezes as pessoas ficam alienadas ao que estão vendo nas redes sociais e aquilo nem é verdade. No começo da pandemia todo mundo estava preocupado e agora as pessoas já estão tendo um relaxamento, então elas tendem a sair porque não sabem o que vai acontecer, estão com ansiedade e estresse. Mas precisamos entender as pessoas e não julgar. Precisamos orientá-las”, disse.
A psicóloga enfatiza que a ajuda profissional também pode ajudar nesse momento, sobretudo ao praticar a empatia com as outras pessoas. Maria Clara de Brito enfatiza que esse é um momento de reconstrução e que precisamos entender que, assim como a pandemia do coronavírus, existiram outras pandemias em tempos passados e que foram superadas pela população.
“Antes, as pessoas não tinha internet para trabalharem de casa ou mexerem no celular, por exemplo. Hoje temos alguns benefícios porque o mundo evoluiu, mas temos que entender que precisamos ter cuidados, praticar aquilo que a OMS pede, evitar aglomerações, distanciamento entre as pessoas e fazer o que precisa ser feito. Quanto mais rápido a gente faz, mais rápido isso acaba e mais rápido a gente volta. Sabemos que é algo que vai ficar marcado por muito tempo, pois o coronavírus é algo que mata. Se você está vendo alguém precisando de ajuda, ofereça”, completa a psicóloga Maria Clara de Brito.
Fonte: portalodia.com
Edição: Mário Pires Santana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade de seus autores, e não refletem, de maneira nenhuma, a opinião do redator deste portal.